8 de abril de 2011

6 anos de fórum: o que mudou e perspectivas futuras


Faz hoje, dia 8 de Abril, 6 anos que me registei no fórum bodybuilding-pt.com. Nessa altura, em 2005, a comunidade já contava com quase 2 anos de existência e um grupo de membros sólido e unido, que com grande pena minha, se veio a desagregar com o tempo. Felizmente, alguns laços foram mantidos e reforçados além da vida virtual. Mas o que mudou nestes últimos anos? O que trouxe o fórum de novo à “cultura física” em Portugal?



Não fiz parte da equipa fundadora e foi por convite, após cerca de 4 meses de participação, que me juntei ao staff, um “prémio” e talvez reconhecimento pela minha dedicação. Só bem mais tarde me tornei administrador, numa fase complicada no fórum que ainda persiste. Infelizmente não é o espaço que idealizei e assumo as culpas pela impotência em reverter a situação e elevar o fórum a todo o seu potencial. Os objectivos didácticos e de partilha de experiências são ofuscados por picardias absurdas entre membros, uma postura hostil e arrogante que me parece comum a vários fóruns online nacionais. Será uma questão cultural? Não sei, mas a minha experiência em comunidades estrangeiras tem sido bem diferente.

Mas isto é apenas uma gota num oceano de contributos para o desenvolvimento da prática de musculação e fitness no nosso país. É seguramente o melhor local para um iniciado obter informação fidedigna e encontrar a motivação para perseguir os seus objectivos. Conta com alguns membros experientes e que não se acomodam aos paradigmas inertes que atrofiam este desporto. Contamos hoje com jovens praticantes mais esclarecidos e preparados para distinguir os factos da ficção, os interesses da isenção.

Se algo mudou verdadeiramente nesta última década foi o mercado de suplementos em Portugal, uma revolução de que o fórum e eu em particular nos orgulhamos com toda a propriedade. Ainda sou do tempo em que uma proteína custava 80 EUR e a única solução para conseguir preços suportáveis era encomendar do Reino Unido. Hoje contamos com preços tão bons ou melhores, um aspecto em muito patrocinado por membros antigos do fórum que me escuso a mencionar. No inicio houve muito atrito com as lojas de suplementos, em grande parte justificado diga-se. A carga fiscal não era equivalente e a concorrência era desleal. A verdade é que essas mesmas lojas adaptaram-se e hoje a venda paralela de suplementos quase não tem expressão visível. Podemo-nos orgulhar de contar com a colaboração de alguns empresários pioneiros que tornaram o nosso pequeno e atrofiado mercado num dos mais acessíveis da Europa, mesmo com uma fiscalidade muito superior. A suplementação desportiva está hoje ao alcance de todos.

É peculiar a forma como cheguei à administração do bodybuilding-pt.com. Nunca escondi que não gosto do culturismo competitivo nem me identifico com a modalidade. Uma tarde a assistir a uma prova não é propriamente a minha ideia de um tempo bem passado. Além disso, sou dos que acham que o ideal estético se desvirtuou com o passar dos anos desde a era dourada. O espectáculo assim o exigiu. Não partilho dos mesmos interesses que a grande maioria dos membros, mas mesmo assim não me considero excluído. Um ET por vezes, mas não mais do que eles/nós aos olhos da sociedade.

Mas existe no culturismo algo que me fascina e que merece todo o meu respeito. Como apaixonado pela ciência e conhecimento, não posso deixar de admirar a noção empírica que dispõe da fisiologia humana, resultado de décadas a tentar superar os seus limites. Embora antigo, esses conceitos são ainda vanguardistas e espero que um dia assumam a importância que merecem.

Não sou abonado pela melhor das genéticas. Manter a forma é uma luta que travo diariamente, mas que a ciência e o culturismo tornaram mais fácil, duas faces indissociáveis da mesma moeda. Em certa medida, os culturistas são a prova viva de que o padrão alimentar fomentado actualmente esta errado. Infelizmente, o culturismo, como filosofia, separou-se em duas correntes: uma que se manteve integra e outra que cedeu às pressões externas das massas e adoptou a cultura do excesso. Não posso dizer que a minha perspectiva seja a mesma que vigora mas está certamente ligada à essência deste estilo de vida. Uma cultura que valoriza o esforço e gratifica a conquista.

Cada vez que publicam um paper a evidenciar a degradação dos comportamentos humanos, particularmente a nível alimentar, o resultado é sempre o mesmo: os hidratos de carbono estão sobrevalorizados e a proteína é menosprezada. Mas o mais intrigante é que grande parte do que se assume como certo não tem qualquer suporte científico robusto. O conhecimento vive uma idade das trevas que felizmente parece estar a dissipar aos poucos. É com optimismo que vejo movimentos de contestação a crescer a ritmo acelerado. O que antes era um domínio marginal, hoje é integrado por investigadores de grande valor e reconhecidos pelos seus pares. A internet possibilitou a disseminação da informação e reuniu pessoas de interesses comuns em comunidades mais sólidas. Um bom exemplo disso é o movimento Paleo, cada vez com maior expressão e que conquistou à força o respeito da comunidade científica. Outros existem com o mesmo valor. E porquê? Porque as evidências não podem ser ignoradas para sempre quando estão acessíveis a todos.

E foi nesse sentido que decidi criar este blogue, uma extensão mais individual à minha participação no bodybuilding-pt.com. Senti a necessidade de me desmarcar um pouco do estigma de que o culturismo é alvo e focar-me no aspecto que mais me interessa: o fenómeno da obesidade numa perspectiva integrada, tão bioquímica como socioeconómica e evolutiva. O meu passado de obesidade tornou-me particularmente sensível a esta temática e acredito convictamente que a gordura não é um desígnio. Embora exista uma componente inata inegável, ela não é um triste fado a que tenhamos de sucumbir. E não é preciso ir longe para descortinar as causas da epidemia actual de obesidade e degradação da saúde humana. A solução também é evidente. A afluência que caracteriza as sociedades modernas é um perigo quando a desinformação nutricional è acompanhada por políticas económicas desajustadas. Como cientista, sinto-me incomodado pela forma como o conhecimento foi subvertido para satisfazer interesses e criar paradigmas falsos. E entristece-me mais ainda ver que esses dogmas são imutáveis na face do fracasso total.

Acredito fielmente que a ciência pode ajudar qualquer um tanto quanto me ajudou a mim. Como disse Gerald Reaven, um dos diabetologistas mais influentes do séc. XX, “o que precisamos é de mais informação e menos recomendações”. Tenho fé na inteligência humana e na sua capacidade crítica e de avaliação. Apenas pretendo expor os factos e descarto-me da responsabilidade de recomendar esta ou aquela prática. Isso cai sobre os ombros de cada um. Sei que muitos acham os meus textos inúteis por não apontarem “o caminho certo”. Muitas vezes ele não existe e as decisões são um compromisso entre os prós e os contras. Não alimento a cultura de facilitismo e atrofia mental que domina, uma postura confortável mas que é um entrave ao progresso. Se não acreditarem no que digo já é um bom começo. Pelo menos assumiram uma posição pessoal, espero que crítica e ponderada.

Se as coisas vão mudar não sei. Mas por enquanto ainda me sinto motivado a dar o meu contributo, por menor e mais marginal que seja, para um mundo diferente e mais saudável. É provável que tudo o que diga seja ignorado, ou mesmo ridicularizado, e mais tarde ou mais cedo sucumba ao cansaço. Se calhar até estou enganado mas é aqui que reside a grande diferença. Enquanto que a minha posição muda com o progresso, outros parecem estagnados em convicções cegas e imutáveis, indiferentes a tudo e todos. É esta a minha postura e é a que vou manter tanto no fórum como no blogue. Passaram 6 anos e não sei quantos mais virão Independentemente do resultado, sinto-me na obrigação moral de tentar desembaraçar um pouco dessa teia que sequestra o nosso livre arbítrio e julgamento, por mais fútil que isso seja.




10 comentários:

  1. Excelente texto. Escreves como um cientista, mas a tua capacidade de escrita revela que, certamente, sempre tiveste gosto pela área da literatura. Quanto ao conteúdo muito se pode dizer. Eu adorei o desabafo, revelador de uma grande maturidade e um constante cismar sobre as coisas. Tenho seguido os teus posts com atenção, visto que tenho um interesse enorme por nutrição (já sofri de anorexia) e pretendo seguir medicina (neste momento estou a completar o 12ºano).

    Mas agora surgiu-me uma dúvida: se dizes que não te enquadras muito com o ambiente do culturismo porque é que te inscreveste no fórum em primeira instância?

    PS: Estou a ler o "The Paleo Diet"... Awesome ;-)

    Abraços, tmfr

    ResponderEliminar
  2. Fotos de como eras (gordo) e como és. não há?

    ResponderEliminar
  3. Parabéns pelos 6 anos do fórum e bem-hajas por partilhar a tua sabedoria com todos nós

    ResponderEliminar
  4. Obrigado!

    Tomás: não é fácil responder a essa pergunta. Mas como disse, é apenas com uma parte que não me identifico. O culturismo é mais do que a modalidade.

    Anónimo: devo ter algumas fotos casuais algures mas não é propriamente uma altura que queira recordar. Além disso, não vou cair na vulgaridade do "antes e depois". Não é esse o objectivo do blogue e não sou pessoa para me expor dessa forma.

    ResponderEliminar
  5. "É provável que tudo o que diga seja ignorado, ou mesmo ridicularizado, e mais tarde ou mais cedo sucumba ao cansaço."

    As mentalidades de rebanho parece que vencem sempre, mas haverá sempre quem valoriza o conhecimento e sabe reconhecer que, nestas áreas, quanto mais se estuda, mais se tem a certeza de que pouquíssimo se sabe. Face ao reconhecido fracasso das ideias oficiais, investigadores como tu serão cada vez mais valorizados, e jamais ignorados. No que a mim respeita, tenho uma grande admiração pelo nível de conhecimento que aqui se veicula, e também pela qualidade do fórum, no qual participei episodicamente em tempos recentes.

    ResponderEliminar
  6. De facto o trabalho apresentado tanto no fórum como no "fat new world" é de grande qualidade. Posso referir que sugiro quase todas as semanas aos meus alunos da licenciatura em Desporto que visitem a página do facebook, porque a informação tem carácter científico e é muito variada.

    Continuem o bom trabalho.

    Mário Simões

    ResponderEliminar
  7. Sempre gostei do teu contributo no fórum, marcado por uma postura cientifica e desinteressada.

    A modalidade vai sendo reconquistada pelo capitalismo lentamente, o que origina coisas boas e más. Mesmo assim, a exposição às ideias alternativas é um passo importante para uma vida mais equilibrada e sensata. Isto aconteceu comigo em 2006, altura em que descobri o culturismo/fisiculturismo depois de uma altura bastante "pesada" da minha vida. Ao longo dos anos tenho vindo a descartar o que não faz sentido e até deixei de seguir o fórum pois andar com sacos de comida/proteína atrás não me parece o sinónimo da boa vida.

    A destreza mental ganhada revelou-se ser muito mais importante, e digo isto porque, depois de 160KG de Agachamento ou Peso Morto há poucas coisas na vida mais difíceis.

    Vamos aprendendo e descobrindo conforme nova informação vai surgindo.

    Cumprimentos.

    ResponderEliminar
  8. Observas todos os lados da palavra, tiras conclusões reais para além da teoria dos estudos, explicas de forma a que toda a gente entenda, exploras todos os assuntos que um desportista, quer seja atleta, quer seja culturista, gosta de investigar.. Para mim e para muitos, tudo isto e muito mais, foi essencial para o nosso crescimento como desportistas, como pessoas.

    E termino aqui, dando-te uma força para continuares e para que te realizes na vida. O meu grande obrigado por todas as dúvidas esclarecidas, pelas mensagens respondidas, pelas receitas disponibilizadas, pelo rumo que me deste a mim e a muitos!

    ;D

    ResponderEliminar
  9. Sergio, deixo-te o meu agradecimento pelo excelente trabalho que tens vindo a fazer, não só no forum, como neste excepcional blog.

    Cumprimentos.

    ResponderEliminar
  10. Parabéns pelo BLOG. De facto só vou ao fórum em última instância porque a participação da maior parte das pessoas (os mais antigos sobretudo) é de grande arrogância e existe impunidade que não abranda essa tendência. Com muita pena minha. Portanto a minha frequência do fórum resume-se aos resultados do google quando pesquiso algo do "meio" e claro, este blog como bíblia! Obrigado por tudo.

    ResponderEliminar