6 de abril de 2011

Antes um sprint que uma maratona...


ScienceDaily (5 de Abril, 2011) - O exercício é importante para a prevenção das doenças cardiovasculares, especialmente em crianças e adolescentes, mas será todo o exercício benéfico? Um novo estudo publicado hoje no American Journal of Human Biology revela que o exercício de alta intensidade (HIT) é mais favorável do que treino de endurance tradicional.


"As doenças cardiovasculares são a principal causa de morte no mundo e os factores de risco têm a sua origem na infância", disse Duncan Bunchan da Universidade West of Scotland. "A nossa investigação examinou o efeito do exercício curto e intenso em comparação com o treino de endurance tradicional nos marcadores de doença cardiovascular em jovens".
A equipa de Bunchan recrutou crianças em idade escolar, 47 rapazes e 10 raparigas, e dividiu-os aleatoriamente em dois grupos: exercício moderado (MOD) e HIT.
Ambos os grupos executaram 3 sessões semanais de treino durante 7 semanas. O treino do grupo HIT consistiu em séries de sprints de 20 m. Em contraste, o MOD corria a passo moderado durante 20 min.
No final do estudo, o MOD completou um total de 420 min de exercício enquanto que o HIT treinou apenas 63 min. O gasto energético estimado para o HIT foi de 907.2 kcal, bastante menos do que MOD (4410 kcal).
Os resultados revelaram que ambos os grupos tiveram melhorias nos parâmetros de risco para doença cardiovascular. No entanto, o tempo total de exercício foi 6 vezes superior em MOD. Então, melhorias significativas nos factores de risco ocorreram no HIT em apenas 15% do tempo calculado para MOD.
Estes dados demonstram que o exercício intenso e breve é uma forma eficiente para melhorar os parâmetros cardiovasculares em adolescentes. Embora limitado pela pequena amostra, a descoberta mostra melhorias significativas na fitness cardiorespiratória, pressão sanguínea, composição corporal e sensibilidade à insulina em adolescentes após uma intervenção de 7 semanas com diferentes intensidade de exercício [%BF, BMI, fibrinogénio, PAI-1 e insulina].
"Este é o primeiro estudo a demonstrar os efeitos de um programa HIT em parâmetros de risco cardiovascular novos e tradicionais", concluiu Bunchan. "São precisas intervenções em maior escala e mais longas para que o impacto a longo prazo e os efeitos do treino intermitente em perfis metabólicos desfavoráveis seja aprofundado".


A meu ver, a grande vantagem do treino de alta intensidade é ser mais fácil de seguir em pessoas sedentárias ou com pouco tempo disponível. É uma boa abordagem para a introdução ao exercício físico, um método comprovadamente eficáz e menos penoso do que longas e extenuantes horas de exercício físico.



4 comentários:

  1. *Penso que o gasto energético estimado para o MOD seja de 410kcal. :D
    E se fizermos por exemplo 4 dias semanais, dois de HIIT e dois de MOD?!

    ResponderEliminar
  2. nao... são mesmo 4410... são 21 sessões de treino. Aparentemente o efeito será o mesmo q fazer apenas HIT. Repare que este estudo em particular não indica que um método seja superior ao outro, mas que o HIT faz o mesmo com menos esforço e mais rápido.

    ResponderEliminar
  3. Sim sim, li mesmo o artigo e compreendi!
    Muito bom!

    ResponderEliminar
  4. Já existim vários estudo, até na reabilitação cardíaca a demonstrar que o treino de alta intensidade era mais benéfico do que o moderado, de longa duração. Num desses estudos, o treino intervalado foi mais eficaz do que uma ressincronização cardíaca.

    É mais um dado que vem reforçar a importância da intensidade do exercício. Espero que ajude a mudar mentalidades e a "acabar" com as caminhadas...

    ResponderEliminar