29 de abril de 2011

Treino intervalado de alta intensidade (HIIT): sim... mas como?


O treino intervalado de alta intensidade (HIIT) é cada vez mais reconhecido como o método ideal para aumentar a performance aeróbia e adaptação ao exercício. Entre os benefícios deste método estão um maior volume de treino intenso e uma melhoria no metabolismo do lactato. Apesar do interessante crescente de que tem sido alvo nos últimos anos, a duração óptima e intensidade do HIIT não foi ainda estabelecida e os protocolos variam bastante. Uma equipa de investigadores da Universidade do Nebrasca comparou diferentes durações e intensidades de treino intervalado para determinar o seu efeito no VO2 médio e total, tempo de exercício e marcadores de fadiga como a concentração sanguínea de lactado. Os resultados do estudo foram publicados no último número da revista Journal of Strenght & Conditioning Research.


Foram recrutados 12 triatletas competitivos de ambos os sexos para participar no estudo. Os protocolos de treino estudados foram 4, variando em intensidade (90 e 100% MPO [maximal power output]) e duração (30 seg e 3 min). As variáveis não foram escolhidas ao acaso e são comparáveis a outros estudos relacionados.

A maior descoberta do estudo foi que intervalos curós, 30 seg, produziram maiores valores de VO2 total (L) e médio (mL.Kg-1.min-1), tempo total da sessão e frequência cardíaca, mas com valores menores de lactato em comparação com intervalos mais longos (3 min).

Julga-se que o benefício primário do treino intervalado seja o volume de exercício em alta intensidade que se consegue executar. Sabe-se que a duração total do estímulo tem um importante papel na resposta adaptativa ao exercício. Adicionalmente, intervalos curtos induzem uma elevação de VO2 que se mantém por um longo período de tempo. É sugerido que esta elevação no metabolismo durante a fase de recuperação explique o maior VO2 médio e frequência cardíaca durante toda a sessão de treino.

Estudos precedentes indicam que intervalos de curta duração minimizam a concentração de lactato no sangue durante a sessão, um resultado reproduzido por este novo trabalho de Zuniga e colaboradores. A recuperação activa durante o treino intervalado favorece a remoção enzimática do lactato, impedindo a sua acumulação. Uma vantagem do treino curto e explosivo é a minimização da acidose intramuscular. Controlando a redução no pH intramuscular durante o exercício e providenciando uma recuperação parcial, o tempo total do treino pode ser estendido.

Adicionalmente, o treino a uma intensidade de 90% MPO resultou num tempo total de exercício mais longo do que a 100% e que 30 seg também aumentam a duração do treino comparativamente a 3 min. O VO2 total também foi superior para 90% MPO e para intervalos de 30 seg. Não se conhece ao certo os mecanismos que favorecem este fenómeno, mas teoriza-se que o treino intervalado permita uma maior regeneração da fosfocreatina durante a fase de recuperação, aumentando assim a capacidade de exercitar a elevada intensidade durante mais tempo.

Em conclusão, este estudo dirigido por Zuniga revela que protocolos com intervalos curtos permitem períodos mais longos com um maior VO2 total, VO2 médio e frequência cardíaca, com uma concentração de lactato reduzida. Da mesma forma, intensidades submáximas favorecem sessões mais longas a um VO2 elevado do que treino intervalado executado a 100% MPO.

Fonte: Zuniga JM, et al. (2011). Physiological responses during interval training with different intensities and duration of exercise. Journal of Strength & Conditioning Research. 25(5):1279-1284.

Interessados no artigo integral podem pedir por email (srsveloso@fat-new-world.com)




3 comentários:

  1. "Apesar do interessante crescente de que tem sido alvo nos últimos anos, a duração óptima e intensidade do HIIT não foi ainda estabelecida e os protocolos variam bastante."

    porém pode-se afirmar que o protocolo tabata seja até agora o que mais resultados positivos apresenta?

    ResponderEliminar
  2. Se é o melhor ou não, é difícil responder. Mas tem dado provas de ser eficaz.

    ResponderEliminar
  3. Ola Sergio. Tem alguma pesquisa que compara perda de gordura abdominal quando se trata da utilização de HIIT vs AEROBIO CONSTANTE?

    ResponderEliminar