29 de junho de 2011

Conferência Internacional de Obesidade Infantil – CIOI 2011


A abordagem social, psicológica e comportamental da obesidade infantil e a promoção para a saúde escolar e comunitária são dois dos cinco temas centrais que serão aprofundados no decorrer da Conferência Internacional de Obesidade Infantil – CIOI 2011. O evento decorrerá entre os dias 6 e 9 de Julho de 2011, em Oeiras, no Lagoas Parque.

Entre os oradores convidados estarão representantes de organizações internacionais e ONG`s, como é o caso da Associação Internacional do Estudo da Obesidade (IASO), da Rede Europeia da Obesidade Infantil (ECOG) ou da Organização Mundial da Saúde (WHO). A nível nacional, a Conferência contará com intervenções de especialistas nas áreas da Saúde e Educação e representantes de diversas entidades, nomeadamente do Instituto Nacional da Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA) e da Direcção-Geral da Saúde (DGS).

28 de junho de 2011

Dieta extrema reverte a diabetes? Será a anorexia a cura?


Tenho recebido vários alertas relativos a um novo estudo muito divulgado na imprensa nacional e estrangeira. Os resultados sugerem, supostamente, que uma dieta hipocalórica de 600 kcal/dia (quase anorexia portanto) consegue curar a diabetes tipo 2 em apenas 8 semanas. Na verdade, logo após os primeiros 7 dias de intervenção as melhorias parecem notórias. “Viste este estudo?”, “o que achas?”, “não o comentas no blogue?”. Eu vi o estudo no dia em que saiu. Muito dificilmente me tinha escapado com todo o hype que se gerou à volta dele. Não comentei porque simplesmente não vale a pena. Mas se calhar até merece umas palavrinhas.

27 de junho de 2011

A dieta cetogénica Mediterrânea de Espanha: a arma derradeira contra o Síndrome Metabólico?


A restrição dos hidratos de carbono é benéfica, pelo menos para alguns, em parâmetros metabólicos de risco para doenças cardiovasculares e diabetes. Existem vários estudos que evidenciam uma melhoria considerável em indicadores como o BMI, perímetro abdominal, perfil lipídico, glicemia e insulina em jejum. Uma equipa da Universidade de Córdoba, Espanha, relatou recentemente num artigo publicado no Journal of Medicinal Food que uma “dieta cetogénica Mediterrânea Espanhola” cura o Síndrome Metabólico. Mas do que se trata esta “dieta cetogénica Mediterrânea Espanhola”? Que significado tem “curar” o Síndrome Metabólico?

25 de junho de 2011

Planet of the Apemen: Battle for Earth - Parte 1, Homo Erectus


Mais um documentário BBC, desta vez uma crónica à sobrevivência improvável do Homo Sapiens. É um programa de duas partes. A primeira estreou no passado dia 23 e passa-se há 75 000 anos atrás, após uma erupção vulcânica que forçou o  confronto entre os nossos ancestrais e uma espécie de humano completamente diferente que reinou incontestada até então: o Homo Erectus. Interessante para quem gosta do tema e uma boa introdução à nossa história evolutiva para aqueles menos familiarizados com a antropologia. A segunda parte irá para o ar na próxima 5ª feira.

24 de junho de 2011

O stress e as doenças cardiovasculares: lições do Oriente


Durante as décadas de 60 e 70 foram realizados uma série de estudos epidemiológicos com japoneses nativos e residentes nos EUA (Califórnia) para avaliação do impacto dos factores de risco cardiovascular na incidência da doença. Nestes estudos incluí-se a tese do Dr. Michael Marmot que deu origem ao artigo Acculturation and Coronary Heart Disease in Japanese-Americans. Os números nem se questionavam e a prevalência de doença coronária era muitíssimo superior nos japoneses residentes na América e rara no Japão. Que explicação mais óbvia do que a ocidentalização dos hábitos alimentares, para um regime mais gorduroso e hipercalórico? Ou talvez não…

Compreendendo os efeitos anti-epilépticos da dieta de Atkins


Alguns indivíduos com epilepsia não respondem ao tratamento com drogas convencionais, mas beneficiam de uma dieta cetogénica - um regime low-carb/high-fat tipo Atkins. Uma equipa de investigadores de Portland, liderada por Detlev Borson, identificou o mecanismo molecular responsável pelos efeitos anti-epilépticos das dietas cetogénicas em ratos.

22 de junho de 2011

A carne e o cancro: um artigo da revista Sábado


Saiu hoje na revista Sábado um artigo interessante sobre os mitos, e outros menos mitos, da relação dieta-cancro.O Dr. David Kayat é um oncologista de renome, há 7 anos director do Instituto Nacional do Cancro, em França. O seu livro "O Verdadeiro Regime Anticancro" é já um bestseller no seu país e foi recentemente lançado em Portugal. Em entrevista à Sábado, o Dr. Kayat revela algumas das suas descobertas. Entre os tópicos está inevitavelmente o consumo de carne vermelha."Tudo depende da carne e da forma como a cozinhamos", diz ele.

O baixo consumo de sal pode aumentar a resistência à insulina em pessoas saudáveis


Uma das recomendações que mais ouvimos é para reduzir o consumo de sal. Supostamente isso iria diminuir o risco de doenças cardiovasculares, embora se saiba que o impacto da restrição de sódio na pressão arterial é mínimo. Qualquer um que o tenha tentado, sem medicação, sabe do que falo. Mas será aconselhável limitar seriamente o sal da dieta numa perspectiva global da saúde? Um estudo recente de uma equipa Norte-Americana sugere que não. Uma dieta pobre em sal parece estar associada a um aumento da resistência à insulina em pessoas saudáveis.

21 de junho de 2011

Substitutos da gordura alimentar sem calorias provocam aumento de peso: um tiro pela culatra


Sempre alertei para o problema de ceder à componente hedónica da alimentação ao substituir o açúcar e gordura com substâncias químicas sem calorias. O corpo é sensível a estes compostos e não se deixa enganar facilmente. De acordo com um novo estudo publicado pela American Psychology Association, os substitutos sintéticos da gordura sem calorias, usados pela indústria para reduzir a densidade energética de alguns produtos, podem contribuir para o aumento de peso e obesidade.

20 de junho de 2011

Low-carb para todos?


Que as dietas restritas em hidratos de carbono são tão ou mais eficazes do que os regimes tradicionais para perder peso parece consensual entre os cientistas. Que melhoram significativamente uma série de parâmetros de risco metabólico também não suscita grande contestação. Vários ensaios clínicos, estudos observacionais e a nossa própria história evolutiva apontam nesse sentido. O estudo A TO Z liderado por Chris Gardner é um bom exemplo disso. Mas será que todos beneficiam igualmente das dietas low-carb quando o objectivo é perder gordura? Tudo indica que não e emerge aqui o aspecto que irá marcar o futuro da nutrição: regimes personalizados ao perfil metabólico e genético de cada um.

17 de junho de 2011

Tensão arterial, envelhecimento e civilização


A pressão arterial sistólica (TA sist) é reconhecida como um importante factor de risco para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares. Acredita-se também que é modificável, ou seja, que alterações de comportamento ou intervenção farmacológica podem atenuar o risco que representa. Alguns estudos em populações ocidentais indicam que a TA sist tem uma tendência crescente com a idade, sugerindo que o envelhecimento poderia estar relacionado com uma deterioração da reactividade vascular, função endotelial e rigidez arterial. Os próprios valores de referência admitem pressões médias superiores com o avançar da idade. Um estudo recente em 8 coortes no Reino Unido aponta nesse sentido, embora reconhecendo a importância de outros factores biológicos e socioeconómicos. Mas e se considerar-mos outras populações humanas, isoladas da civilização moderna? Como é que a tensão arterial varia?

16 de junho de 2011

A estatura e saúde humana na Revolução Agrícola


Há pouco tempo numa discussão amigável acerca da necessidade do leite na alimentação humana surgiu o argumento da estatura. Sem razão aparente, as pessoas julgam que a Revolução Neolítica e transição agrícola estiveram associadas a uma tendência crescente na altura das populações. Mesmo dispondo de alguns indícios do contrário, faltou-me uma prova cabal e robusta que sistematize a informação dispersa e por vezes contraditória numa disciplina que não domino. Uma revisão recente poderá preencher essa lacuna. Amanda Mummert e George Armelagos esmiuçaram os dados mais recentes e concluem que quando as populações à volta do mundo se viraram para a agricultura há cerca de 10 000 anos, independentemente da sua localização e espécies cultivadas, houve uma tendência similar: a altura e saúde das pessoas entraram em declínio.

15 de junho de 2011

A dieta Paleolítica considerada eficaz na prevenção de doenças cardiovasculares


O Dr. Richard Kones publicou muito recentemente a revisão mais extensa que conheço sobre a prevenção primária da doença coronária. Com mais de 600 referências e 56 páginas, o artigo varre todas as propostas mais recentes e os métodos de redução do risco cardiovascular. Segundo o autor, uma combinação de abordagens alimentares, ecológicas e sociais serão necessárias para atenuar o elevado peso que as doenças cardíacas têm no presente. Para ser sincero, só me deram nota do artigo hoje e ainda não o li com atenção. Toda aquela informação precisa de mais tempo para ser digerida. Mas foi com regozijo que vi a dieta Paleolítica ser considerada uma estratégia preventiva eficaz para as doenças cardiovasculares.

Uma dieta low-carb hiperproteica reduz a incidência e progressão do cancro


As células tumorais dependem quase em exclusividade da glicose como substrato energético para sustentar a sua elevada taxa de divisão e metabolismo. Além disso, a insulina é também um factor de crescimento que pode estimular a proliferação destas células. Daqui não é abusivo levantar a hipótese de uma dieta low-carb pode de alguma forma impedir ou atrasar a progressão da doença. Uma equipa de investigadores do British Columbia Cancer Research Center mostra num artigo publicado ontem no Cancer Research que uma dieta low-carb é capaz de restringir o desenvolvimento e progressão do cancro em ratos, ao contrário do que se verifica num regime ocidental típico.

14 de junho de 2011

Insónias e sintomas depressivos em dietas low-carb: a hipótese do triptofano


Os sintomas de que as pessoas mais se queixam quando iniciam um regime low-carb e hiperproteico são o mau humor, sintomas depressivos, fadiga, dificuldade de concentração e, especialmente perturbações no sono. Todos estes aspectos são controlados pela serotonina, uma neurohormona sintetizada a partir do triptofano (TRP). Seria lógico pensar que numa dieta abundante em proteína a síntese de serotonina aumentasse, ou pelo menos não diminuísse, devido ao aporte acrescido de triptofano na dieta. Mas na verdade acontece precisamente o inverso.

13 de junho de 2011

A batalha das dietas: estudo "A TO Z" da Universidade de Stanford


Um argumento comum de quem ancorou no paradigma dietético actual contra as dietas low-carb é que estas não estão suficientemente testadas.Mas isso não é inteiramente verdade. Infelizmente, as dificuldades de financiamento destes ensaios impossibilitam experiências de longa duração. O estudo recente mais longo que conheço não ultrapassou os 18 meses e a maioria não dura mais de 1 ano. Mas na última década foram realizados vários ensaios que comparam dietas restritas em hidratos de carbono com o regime Ocidental e outras dietas populares. Um deles foi liderado pelo professor Christopher Gardner da Universidade de Stanford, o A TO Z study. Os resultados foram publicados em 2007 no Journal of the American Medical Association. Nada fáceis de digerir para um investigador rendido ao vegetarianismo há mais de 20 anos.

11 de junho de 2011

Soro condicionado pelo exercício físico inibe a proliferação de células tumorais in vitro

Julga-se que o sedentarismo e excesso de peso sejam responsáveis por uma importante fatia dos casos de cancro. Em 2007, o World Cancer Research Fund reuniu um painel de especialistas que concluiu que a actividade física reduz o risco de cancro da mama e cólon em 25%, sugerindo 30 min diários de exercício moderado como medida preventiva. Uma equipa Dinamarquesa encabeçada por Pernille Hojman publicou recentemente no American Journal of Physiology, Endocrinology and Metabolism um estudo em que demonstra o efeito inibitório de citocinas produzidas no músculo exercitado no crescimento de linhas celulares de cancro mamário. O soro extraído de animais após exercício parece inibir a proliferação de células cancerosas e estimular a sua apoptose.

10 de junho de 2011

Réplica do Dr. Cordain e colaboradores ao artigo da US News "Best Diets"

Em sequência ao artigo da US News que comentei hoje, aqui fica a réplica integral e final do Professor Loren Cordain, com o contributo dos investigadores Maelán Fontes Villalba e Pedro Carrera-Bastos, os quais me orgulho de conhecer. O texto tenciona repor a verdade e isenção científica, refutando ponto por ponto um artigo tendencioso e ignorante que mete os factos na gaveta. O texto está obviamente escrito em inglês. A "comunidade Paleo" pede que circule para que a situação não passe em claro. Traga-se alguma ciência ao debate.

Ranking de dietas no US News: Paleo em último? O Dr. Cordain diz que não (e eu concordo)


Há poucos dias, a US News publicou aquilo que parece ser um ranking das melhores dietas. Reuniram um painel de "especialistas" que analisaram uma série de dietas populares e mais em voga, segundo critérios que passaram pela perda de peso, benefícios cardiovasculares, adequação a diabéticos, segurança, preço, praticabilidade, etc. Não fosse o regime Paleo ter ficado em último, nem perdia tempo com o assunto. É um trabalho claramente sensacionalista e que coloca a ciência na gaveta. No fundo, mais do mesmo. As críticas não tardaram, e vieram de cima. Podia deixar aqui a minha opinião, mas quem em melhor posição do que o Professor Loren Cordain para o fazer?

9 de junho de 2011

A acção da insulina no "centro de recompensa" está relacionada com a obesidade


Uma equipa de investigadores do Instituto Max Planck, Alemanha, publicou recentemente na revista Cell Metabolism aquilo que poderá ser a primeira prova sólida do efeito directo da insulina no circuito cerebral de recompensa, orquestrado pelos neurónios catecolaminérgicos do mesencéfalo (área tegmental ventral (VTA) e substantia nigar). Ratos em que esta área não responde à insulina comem mais e tornam-se obesos. A resistência à insulina poderá explicar a dificuldade de pessoas com excesso de peso em controlar aquilo que comem, um impulso aqui reduzido à sua componente neuroquímica.

8 de junho de 2011

1º Simpósio Internacional de Força e Condição Física - 15 e 16 de Julho na UTAD


Nos próximos dias 15 e 16 de Julho irá realizar-se na Aula Magna da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), em Vila Real, o 1º Simpósio Internacional de Força e Condição Física.

Consultar programa aqui.
Desdobrável do evento.

Para mais informações contactar:

Email: simposio.utad@gmail.com
Telefones: 259  350 935 / 915 997 470 / 935 525 783

Morada:
Campo Desportivo UTAD
Apartado 1013
5001-801 Vila Real

Novo mecanismo proposto para os benefícios das dietas low-carb: o FoxO1


O reinado da insulina começou em 1922 mas antes a diabetes não ficava por tratar. As dietas cetogénicas, muito restritivas em hidratos de carbono, eram usadas com sucesso e superando regimes isocalóricos low-fat na atenuação da hiperglicemia, dislipidémia e resistência à insulina. Embora a eficácia destas dietas seja consistente, os mecanismos por detrás dos seus efeitos benéficos não são ainda totalmente compreendidos. Uma equipa de investigadores Israelitas dá uma achega a esta questão num artigo recente publicado na revista Diabetes. A supressão do factor de transcrição FoxO1 pelos ácidos gordos de cadeia longa pode justificar os efeitos positivos das dietas low-carb no tratamento da diabetes e pré-diabetes.

7 de junho de 2011

Suplementação com ácido araquidónico (X-Factor)


Há já algum tempo que tencionava escrever um artigo sobre o “cabeça de cartaz” da Molecular Nutrition, o X-Factor, agora na sua versão Advanced. Na verdade, surge como consequência inevitável de um trabalho que realizei na faculdade sobre a suplementação com ácido araquidónico. O tema foi ressuscitado no seminário promovido pela NutriScience, no qual participei, e onde se abordou as implicações inflamatórias do tipo de ácidos gordos ingeridos. O X-Factor sempre me suscitou muitas dúvidas, e passo a explicar porquê.

6 de junho de 2011

A latitude, colesterol e a mortalidade coronária: mais uma dose do Seven Countries Study


Confesso que tenho uma fixação com o Seven Countries Study. Estou sempre a descobrir coisas novas e interessantes, mesmo tratando-se de um estudo com mais de 40 anos. Em 1993 foi publicada uma análise inter-coortes da mortalidade por doença coronária no follow-up de 25 anos. Este trabalho é importante porque a força da relação entre o colesterol e a mortalidade coronária é finalmente posta em números. Mas e se para prever o risco, em vez de se fazerem análises ao sangue, bastasse apenas saber as coordenadas GPS?

O "Peso Pesado": semana 5


Já lá vai mais uma semana no "Peso Pesado" e mais uma dupla foi expulsa da casa. Desta vez a fava saiu à dupla rosa. Como é hábito, vou aqui fazer uma comparação, a última, entre a 5ª semana na herdade e no "The Biggest Loser". Veremos também um gráfico que representa a evolução dos concorrentes em ambos os programas.

4 de junho de 2011

A TV não é amiga do seu coração, diz Yudkin


Dizem-nos que cada garfada de gordura animal é um ponto acrescido no risco de doença coronária. Ancel Keys foi provavelmente o principal responsável por esta assumpção. No seu Seven Countries Study, Keys tenta mostrar que os níveis séricos de colesterol estão relacionados com o consumo de gordura saturada, e que esta se correlaciona com a mortalidade por doença coronária. Isto para sete países escolhidos a dedo: Finlândia, Grécia, Itália, Japão, Holanda, Estados Unidos e Jugoslávia. Porquê utilizar apenas estes quando Keys tinha dados relativos a mais de duas dezenas de países? A resposta morreu com ele mas as razões parecem óbvias. Se todos fossem incluídos, nenhuma relação teria sido encontrada. Na verdade bastaria incluir a França para que a ideia de Keys fosse pelo cano. Mas, como iremos ver, a estatística até tem coisas engraçadas.

3 de junho de 2011

"The Atkins Diet", um documentário BBC Horizon


Eu sou um grande fã da BBC. Entre os vários programas de investigação jornalística e documentários, o BBC Horizon prima pela excelência. Em 2004, um dos temas abordados foi a dieta de Atkins. Citando a narradora, “o Horizon investiga a verdade sobre a dieta mais controversa na história”. Será que funciona? É perigosa?

2 de junho de 2011

RIP myPyramid. Chegou a altura do myPlate reinar


A velhinha pirâmide alimentar Americana, a myPyramid, foi para a reforma. Mas claro que a USDA não ia deixar o espaço por preencher. Hoje foi tornado público o seu substituto, o myPlate. Se, como eu, pensava que era difícil piorar… pense outra vez e veja o novo ícone das boas práticas alimentares.

A carne e o risco de cancro colo-rectal: cá vamos nós outra vez...


Quem já não ouviu dizer que a carne aumenta o risco de cancro colo-rectal? Há quem vá mais longe e diga que o consumo de carne é responsável por 75% das doenças humanas. Já perdi a conta aos estudos que abordam esta questão e o número deste mês do European Journal of Clinical Nutrition traz mais um. “Os nossos dados não suportam a hipótese de que o consumo de carne seja um factor de risco para o cancro colo-rectal”. São eles que dizem e não eu.

1 de junho de 2011

A fruta e a frutose: novo estudo agita a blogosfera


Como é sabido (ou vai ser a partir de agora), a minha posição em relação à fruta sugere alguma contenção no seu consumo. Longe de ser um alimento a evitar, não devemos cair no exagero. Ora, um novo estudo publicado ontem no Metabolism, Clinical and Experimental aborda a questão do consumo de fruta em dietas hipocalóricas. Os resultados apontam para que o consumo de 50-70 g/dia de frutose, proviniente exclusivamente da fruta, favorece uma maior perda de peso do que regimes com igual teor em hidratos de carbono, mas complexos. O buzz das redes sociais não tardou. Comam fruta! A frutose não faz mal a ninguém! O mito foi desmascarado! Será que foi mesmo?

Vencedor do passatempo "Uma imagem vale mais que três palavras"


Parabéns ao André Chee, vencedor do passatempo "Uma imagem vale mais que três palavras". Verdadeira cozinha de fusão Paleo alentejano e oriental. Obrigado a todos (os dois) os participantes. Esperava maior adesão mas a minha experiência noutros espaços já o sugeria. De qualquer forma tenciono promover mais passatempos e conto com uma maior participação por parte dos leitores. Tentarei sondar os vossos interesses de forma a oferecer prémios mais apelativos.

Obrigado ao André Chee e ao Ricardo Nunes pela participação. Obrigado a todos por seguirem o blogue.