26 de julho de 2011

Proteína para emagrecer: whey vs soja


Com maior ou menor atrito, é reconhecido que as dietas hiperproteicas ajudam a perder ou controlar o peso corporal. Mas nem todas as proteínas são iguais. Um estudo recentemente publicado online no Journal of Nutrition, edição de Junho, revela, sem surpresa, que a whey é mais favorável quando o objectivo é manter a linha.


Investigadores do USDA’s Human Nutrition Research Center estudaram o efeito de três intervenções distintas em 73 indivíduos de ambos os sexos, com BMI >25. Um grupo ingeriu proteína isolada de soja (SPI), outro grupo whey (WP) e o último uma solução isoenergética de maltodextrina. As refeições teste eram ingeridas duas vezes por dia, imediatamente após o pequeno almoço e jantar. O valor energético foi padronizado para 200 kcal por dose, cerca de 52g de proteína nos grupos a que isso se aplica (104g/dia).

A equipa avaliou os níveis de actividade física, peso corporal, perímetro da cintura, massa gorda, massa magra, glicemia, insulina, grelina, IGF-I, IGFBP-1 e -3 e hormonas da tiróide. Também foi controlado o comportamento alimentar através de inquéritos e análises aleatórias à urina.

No ínicio da intervenção não foram encontradas diferenças significativas entre os grupos. Ao fim de 23 semanas, o valor energético diário das dietas continuou similar, perto das 2200 kcal. Na verdade, o grupo com maltodextrina consumiu ligeiramente menos calorias do que qualquer um dos outros. Entre a fase inicial e a final verificou-se um decréscimo significativo no consumo de hidratos de carbono no grupo com WP, mas não com SPI.

Os indivíduos que consumiram maltodextrina ganharam cerca de 1 Kg nas 23 semanas, principalmente massa gorda. Enquanto que no grupo com SPI o peso se manteve inalterado, o grupo com WP perdeu perto de 1 Kg ao longo da intervenção, com um decréscimo considerável na gordura corporal e perímetro da cintura. Curiosamente, apesar de o peso e massa gorda se terem mantido estáveis no grupo com SPI, o perímetro abdominal aumentou ligeiramente.



Relativamente aos parâmetros bioquímicos, não se encontraram diferenças na glicemia entre grupos. A SPI parece fomentar níveis ligeiramente superiores de IGF-I, suas proteínas de ligação e hormonas da tiróide, resultados que não foram devidamente explorados pelos autores. Igualmente por comentar fica o efeito das intervenções nos níveis de insulina em jejum. Toda a importância é focada nas diferenças de grelina, uma hormona que estimula o apetite.



A WP parece reduzir os níveis de grelina, um resultado que não é novidade neste trabalho. O efeito deverá ser mediado por incretinas ou pela própria insulina, aumentada de forma aguda após uma dosagem de whey. A insulina é muitas vezes tida como obesogénica, uma noção que deturpa a realidade. Trata-se de uma hormona que regula o metabolismo dos substratos energéticos e com efeitos anorexigéncos (redutor do apetite) a nível central. É provável que os benefícios associados ao consumo de whey sejam parcialmente devidos ao seu efeito insulinotrópico, por mais paradoxal que isso possa parecer.

Mas este estudo não é particularmente robusto. Em primeiro lugar não existe um verdadeiro grupo controlo, sem intervenção. Em vez de uma dose posterior do alimento teste, parece-me mais interessante estudar o efeito de uma pré-carga. Mas mais incompreensível é o facto de não nos serem fornecidos os dados basais para os parâmetros bioquímicos estudados. Apenas sabemos o resultado da intervenção entre grupos, sem qualquer detalhe quanto ao efeito em cada grupo. Não para grande espanto, o estudo foi financiado pela indústria dos lacticínios que encontrou na whey uma novo mercado para explorar.

Ao salientar este possível conflito de interesses não estou a por em causa a validade dos resultados. Eles vão ao encontro de outros estudos e artigos que já publiquei aqui no blogue. Acredito que a whey possa ser uma boa ajuda para quem pretende perder peso, mesmo correndo o risco de entrar em contradição com alguns princípios que defendo (não a meu ver). Como não é segredo, evito o consumo de derivados de leite por razões alheias ao âmbito deste artigo. Mas seria intelectualmente desonesto da minha parte apenas mostrar os dados que corroboram as posições que assumo. A whey parece de facto ser um bom suplemento para quem procura emagrecer.

Ver também: 6 razões para tomar whey em dieta

Interessado em adquirir whey? Aceita uma sugestão? Veja este artigo que escrevi.




Whey Protein but Not Soy Protein Supplementation Alters Body Weight and Composition in Free-Living Overweight and Obese Adults

1 comentário:

  1. Saudações.
    De 2011 para cá, alguma novidade em relação à soja? Sua relação com a insulina, por exemplo.
    Já agora, parabéns, sempre, pelo seu poder de síntese.

    ResponderEliminar