22 de setembro de 2011

Tuning nos suplementos


Foi com grande apreensão que li declarações recentes do Professor Ron Maughan, chairman do Grupo de Nutrição Desportiva do Comité Olímpico Internacional. De acordo com o especialista, alguns suplementos alimentares vocacionados para desportistas estão contaminados com quantidades diminutas de substâncias banidas. Muitos atletas profissionais inocentes estão a testar positivo no controlo anti-dopagem.



Esta questão não é nova e qualquer insider sabe que se trata de um problema bem real. Lembro-me de um controlo há cerca de 10 anos na Holanda e Bélgica onde mais de 50% dos produtos importados acusaram positivo para hormonas esteroídes e outras substâncias controladas.

Maughan diz: “Está hoje bem patente que muitos suplementos dietéticos contêm compostos que podem levar um atleta a acusar positivo num teste de doping. Em alguns casos, a presença destes compostos não é declarada no rótulo. Para algumas substâncias proibidas, a quantidade que resulta em positivo e muito pequena e pode até não ser detectada em análises de rotina ao suplemento”.

De particular preocupação é a presença do esteróide nandrolona e seus percursores. A equipa de Maughan investigou a resposta dos atletas a quantidades vestigiais de 19-norandrostenediona em barras energéticas comerciais contaminadas. Apesar dos níveis serem 1000 vezes inferiores ao que se procura nas análises de controlo a suplementos, as amostras de sangue dos voluntários testaram positivo para nandrolona.

Claro que isto levanta questões éticas e põe em causa a credibilidade dos produtores de suplementos alimentares. E pior, põe em causa todo o desporto. Os frequentadores de ginásios recorrem muitas vezes a estes produtos para potenciar os resultados e optimizar a performance, sem interesse em saltar a barreira do doping. É assustador que possam estar a administrar de forma involuntária substâncias potencialmente perigosas e ilegais.

Não vou cair na hipocrisia de condenar quem decide utilizar esteróides anabolizantes ou outros ergogénios proibidos. Cada qual sabe de si. Mas os suplementos alimentares são uma realidade totalmente distinta e que não deve ser confundida. Mesmo quem toma anabolizantes gostaria de saber ao certo o que está a tomar, quanto está a tomar, e que efeitos isso poderá trazer. Pior inimigo para a saúde do que os esteróides é a ignorância.

Os suplementos são já muito estigmatizados pela sociedade que os conotam como atalhos questionáveis e que deixam sequelas graves. Isto não é verdade. Ou é? Se as companhias de suplementos contaminam os seus produtos de forma a potenciar a eficácia em detrimento da segurança do consumidor, então é inevitável questionar-me se estes produtos são ou não seguros. A relação é na base da confiança e está a ser quebrada por um dos lados.

O que acha?

University of Loughborough (2011, September 19). Dietary supplements could make athletes unwitting drugs cheats. ScienceDaily. Retrieved September 21, 2011, from http://www.sciencedaily.com/releases/2011/09/110919113634.htm

3 comentários:

  1. A histeria anti doping está a tomar proporções tais,que se um atleta abusar da costoletas de porco,sai-lhe um teste positivo.Lol

    ResponderEliminar
  2. sim, isto vem tornar a situação ainda mais crítica relativamente ao estigma dos suplementos :-( cada vez mais temos que procurar os certificados de qualidade das empresas fabricantes de suplementos.

    ResponderEliminar
  3. O problema é que os certificados de qualidade dos fabricantes não valem nada na prática...

    Esta é uma questão muito preocupante e enquanto treinador, apesar de reconhecer a importância por exemplo de um suplemento de Whey, fico sempre receoso em recomendar a atletas de alta competição. É um risco que provavelmente não compensa...

    ResponderEliminar