13 de outubro de 2011

Influência da proteína no consumo energético em humanos: estudo


De acordo com um novo estudo publicado ontem no PLoS ONE, um consumo apropriado de proteína é essencial para controlar a ingestão calórica e evitar o ganho de peso.


Os investigadores descobriram que quando alimentavam pessoas com dietas constituídas por 10% de proteína elas consumiam mais 12% de energia num período de 4 dias do que com uma dieta constituída por 15% proteína. Além disso, 70% da energia acrescida provinha de snacks. Quando o teor proteico foi aumentado para 25% não se observou uma diferença significativa no comportamento relativamente a uma dieta com 15%.

É importante salientar que para compensar a manipulação da quantidade de proteína foi ajustado o consumo de hidratos de carbono, mantendo fixo o teor d gordura em 30% das calorias. Como se torna óbvio pelos parametros estudados, tratava-se de uma dieta ad libitum (= “à vontade”).

Neste trabalho de intervenção a equipa testou 16 mulheres e 6 homens, todos saudáveis e com peso normal. Os participantes passaram 4 dias em cada uma das 3 dietas, nas quais as refeições eram o mais similares possível. De acordo com o Dr. Alison Gosby, “os resultados mostram que os humanos têm um apetite particularmente ávido pela proteína e, quando a proporção na dieta é baixa, este apetite pode levar ao consumo excessivo de energia”. “No nossa população de estudo, uma alteração no ambiente nutricional que dilui a proteína com hidratos de carbono ou gordura promove o consumo excessivo, aumentando o risco de obesidade”.

Estes resultados não são novos mas são poucos os ensaios clínicos de intervenção que demonstram o papel fulcral da proteína na regulação energética. A hipótese de que uma carência sub-clinica de proteína leva a um consumo calórico acrescido foi já introduzida no pensamento científico há algum tempo. A “protein leverage hypothesis” trata-se de um mecanismo defensivo para aumentar a ingestão do nutriente mas que, num ambiente dominado pelos alimentos processados e vazios, pode levar a um acréscimo desmesurado nas calorias consumidas.

É mais do que evidente que eu defendo um aumento significativo no consumo de proteína. Não falo apenas de desportistas mas da população em geral. Num meio onde a guerra entre o low-carb e o low-fat parece não ter tréguas, sugiro uma nova (ou velha) abordagem: dietas hiperproteicas.

Artigos relacionados: 

É por isso que gosto de culturismo...
A regra de ouro das 30g de proteína por refeição
Dietas hiperproteicas e a função renal
Dietas hiperproteicas podem aumentar o risco de cancro do cólon?
Proteína: quanto é demais?
As dietas hiperproteicas vs fibra
A carne e o risco de cancro colo-rectal: cá vamos nós outra vez...
Dietas hiperproteicas aumentam a saciedade independentemente do número de refeições


- Alison K. Gosby, Arthur D. Conigrave, et al. Testing Protein Leverage in Lean Humans: A Randomised Controlled Experimental Study. PLoS ONE, 2011; 6 (10): e25929. 
- Public Library of Science (2011, October 12). Proper protein intake crucial for moderating energy intake, keeping obesity at bay. ScienceDaily. Retrieved October 13, 2011, from http://www.sciencedaily.com­ /releases/2011/10/111012185626.htm

Sem comentários:

Enviar um comentário