1 de outubro de 2011

O efeito anabólico da mostarda e couve (Brassica)


Uma equipa de investigadores Norte-Americana descobriu que a administração oral de um esteróide vegetal, o homobrassinolide, causa uma resposta semelhante aos anabolizantes mas sem efeitos secundários aparentes. Adicionalmente, verificou-se que o efeito estimulante do homobrassinolide à síntese proteica no músculo leva não só a um incremento de massa magra mas também a melhor rendimento físico.


“Esperamos que um dia os brassinoesteróides sejam uma alternativa eficaz, natural e segura à perda de músculo associada à idade ou doença, ou utilizados como potenciadores do desempenho físico e resistência”, disse o Dr. Slavko Komarnytsky. “Uma vez que certas plantas comestíveis contêm estes compostos, tal como as mostardas [género Brassica], no futuro seremos capazes de as alterar de forma a aumentar o teor de brassinoesteróides, produzindo assim alimentos funcionais para tratamento e prevenção de doenças, ou aumentar a performance”.

A equipa expôs células musculares de rato a diferentes doses destes esteróides e avaliaram a síntese proteica. Verificou-se um aumento na síntese e menor degradação, à semelhança do que se verifica com os esteróides anabolizantes. Os ratos que receberam uma dose oral de homobrassinolide durante 24 dias ganharam mais peso e aumentaram o seu aporte calórico para satisfazer as necessidades metabólicas acrescidas. A composição corporal foi também avaliada e os ratos tratados apresentaram mais massa magra do que o grupo controlo. É interessante também verificar que estes compostos parecem ter um efeito corrector em ratos castrados, que não produzem androgénios, aumentando a força e número de fibras musculares.

Uma vez que o homobrassinolide parece ter biodisponibilidade oral, é expectável que a ingestão de Brassicas possa potenciar de alguma forma estes efeitos também em humanos, mamíferos não muito diferentes dos ratos de um ponto de vista fisiológico. Se o limiar de dose tem significado prático é uma questão que fica no ar. Tenho as minhas dúvidas. De qualquer forma fica demonstrada a capacidade de alguns compostos naturais exógenos em alterar o metabolismo, neste caso mimetizando drogas sintéticas proibidas no desporto e até criminalizadas em alguns países.

D Esposito et al. (2011). "Anabolic effect of brassinosteroid". The FASEB Journal. 25(10).

Sem comentários:

Enviar um comentário