11 de dezembro de 2012

A reforma aumenta o risco cardiovascular



Ora aqui está a notícia que o Vítor Gaspar queria ouvir. Investigadores da Universidade de Harvard estudaram a incidência de enfartes do miocárdio e AVCs num estudo em grande escala com reformados Norte-Americanos. Entre mais de 5000 participantes, aqueles que saíram do activo revelaram taxas 40% superiores do que quem continuou a trabalhar, um risco mais evidenciado logo no primeiro ano de reforma. Estes resultados, publicados na revista Social Science & Medicine, vão ao encontro de outros trabalhos que sugerem um declínio na saúde quando deixamos a vida activa. Logo, aumentar a idade da reforma é uma boa politica de saúde pública...

Moon e seus colaboradores descrevem a reforma como "uma transição que envolve mudanças ambientais que remodelam os comportamentos de saúde, interacções sociais, e stress psicosocial". Por outras palavras, a transição de uma vida activa para a reforma traz consigo alterações drásticas na vida de uma pessoa. "Os nossos resultados sugerem que temos de olhar para a reforma como um processo e não como um evento". Serão estes os motivos pelos quais a reforma está em 10º lugar da lista das situações mais stressantes.

Num estudo anterior de George Vaillant, professor também em Harvard, foram sugeridos 4 aspectos que podem tornar a reforma gratificante e saudável. Eles são:
- Criar novas redes sociais. Deixar de trabalhar é um momento de perda.
- Actividades lúdicas.
- Continuar a aprender coisas novas como tocar um instrumento por exemplo.
Mas compreender como a reforma afecta grandes grupos não tem necessariamente de explicar como irá afectar uma pessoa individualmente. Para quem tem empregos stressantes e cansativos, pode ser um momento de alivio. E pessoas com hobbies têm geralmente maior facilidade em lidar com esta fase das suas vidas, conseguindo ocupar o tempo livro de uma forma gratificante.
E caso não tenham entendido, estava ser irónico quando disse que aumentar a idade da reforma era bom para a nossa saúde... Mas factos são factos :P.

Sem comentários:

Enviar um comentário