22 de janeiro de 2013

Limitar o consumo de ómega-6 na gravidez pode ser benéfico para o bebé

De acordo com um estudo da Universidade de Southampton, os bebés de mulheres grávidas com níveis elevados no sangue de ácidos gordos polinsaturados ómega-6, presentes nos óleos vegetais, tendem a ser mais gordos e ter menos músculo. Pelo contrário, foi verificada uma associação inversa com as gorduras ómega-3 de origem animal e principalmente presentes nos peixes gordos.


Que associação não implica causalidade já eu disse várias vezes. Mas não deixa de ser interessante mais um estudo a sugerir que os ómega-6 podem não ser assim tão bons para a nossa saúde. Por seu lado, o EPA e DHA, estes de origem animal e encontrados especialmente nos peixes gordos, parecem ser benéficos a vários níveis e equilibrar o efeito inflamatório que os ómega-6 exercem no organismo. Algumas alimentos de origem vegetal, como as nozes e a linhaça, contêm um outro tipo de ómega-3, o ALA. No entanto, convém esclarecer que a taxa de conversão em EPA e DHA é muito reduzida e apenas estes parecem ter uma actividade biológica relevante. Comer linhaça não nos dispensa de comer peixe de forma alguma.

A dieta moderna é bastante desequilibrada no que respeita ao rácio ómega-6:ómega-3. Uma proporção de 10:1 ou 20:1 não é rara, quando o ideal parece ser 4:1 ou até menos. Se olharmos para os alimentos disponíveis à nossa volta rapidamente percebemos porquê. O Dr. Nicholas Harvey, autor do estudo, refere que os ómega-3 e ómegas-6 parecem actuar em sentidos opostos no que respeita à composição corporal da criança. Trabalhos anteriores tentaram estudar o efeito do ómega-3 em isolado, sem consideração do papel dos ómega-6. Estes resultados apontam para a necessidade de reduzir o aporte destas gorduras vegetais e, muito provavelmente, para um benefício da suplementação com ómega-3 durante e previamente à gravidez.

Artigos relacionados


R. J. Moon, N. C. Harvey, S. M. Robinson, G. Ntani, J. H. Davies, H. M. Inskip, K. M. Godfrey, E. M. Dennison, P. C. Calder, C. Cooper. Maternal Plasma Polyunsaturated Fatty Acid Status in Late Pregnancy Is Associated with Offspring Body Composition in ChildhoodJournal of Clinical Endocrinology & Metabolism, 2012; 98 (1): 299 DOI:10.1210/jc.2012-2482




6 comentários:

  1. Olá Sérgio, na compra de ácidos gordos qual a melhor opção: apenas Omega 3 ou complexos de Omega 3 -6 -9?

    Filipe

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Filipe,

      Sem dúvida que é preferível comprar os ómega-3 em isolado. Os outros encontra mais facilmente em fontes alimentares.

      Eliminar
    2. O isolado tem maior concentração que o complexo dos 3?

      Quais as maiores vantagens de um e outro?

      Filipe

      Eliminar
    3. O complexo não tem qualquer vantagem na minha opinião...

      Relativamente à concentração, isso dependerá do produto em particular

      Eliminar
  2. Para quando a "Como elaborar um plano alimentar para perda de gordura: Parte 3"?
    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Para breve espero... Eu sei que tenho dispersado... :P

      Eliminar