27 de março de 2013

Mais sobre a flora intestinal e a obesidade



A microbiota intestinal é hoje alvo de um grande interesse por parte da comunidade científica. A interacção simbiótica com o hospedeiro, nós, parece até ser dirigida pelos pequenos bichos, embora a nossa dieta e perfil hormonal possam regular o equilíbrio da flora. Uma das áreas emergentes é precisamente no estudo da obesidade. Num artigo agora publicado no JCEM são descritos os resultados de uma experiência que vêm enriquecer esta relação, ainda superficialmente explorada. 


Segundo os autores, indivíduos que expelem mais metano e hidrogénio têm uma maior tendência para o excesso de peso. Isto é resultado de uma proliferação de Methanobrevibacter smithii no intestino. Esta estirpe utiliza o hidrogénio produzido por outras bactérias para produzir metano, facilitando assim a extracção de energia dos alimentos por parte desses microorganismos. 

Implicações? Para já poucas mas reforça a importância da flora intestinal para um metabolismo saudável. E cabe a nós tratar dela... Claro que eu não preciso de avaliar os gases expirados para saber se uma pessoa tem peso a mais, mas posso sim ficar com uma ideia do risco que incorre. Além disso, não é raro encontrar desequilíbrios na microbiota em pessoas obesas, algo que tem vindo a ser comprovado nestes últimos anos.

Ruchi Mathur et al. Methane and Hydrogen Positivity on Breath Test is Associated with Greater Body Mass Index and Body FatJournal of Clinical Endocrinology & Metabolism, 2013 (in press)



1 comentário:

  1. A nossa dieta talvez regule a microbiota? A nossa dieta regula a microbiota!

    ResponderEliminar