24 de maio de 2013

Aulas de Educação Física têm impacto na obesidade infantil


Tendo passado pelo ensino elementar há relativamente pouco tempo, a ideia que eu tenho é que não se dá a devida importância às aulas de Educação Física. E muitas vezes isto é da responsabilidade tanto de professores como dos pais. Mas a verdade é que pouco se sabe acerca do papel que essas aulas têm para a criança, em particular na gestão do seu peso. Um estudo recente da Universidade de Cornell revela que aumentar o tempo que as crianças dedicam à Educação Física reduz a probabilidade de ser obeso. Estudando o tempo que os Estados Norte-Americanos mandatam para a actividade física, verificou-se que por cada 60 min adicionais a probabilidade de obesidade era reduzida em 4,8%, particularmente nos rapazes.

Os resultados podem parecer modestos, mas é a soma de pequenos efeitos que se irá traduzir num resultado significativo a nível global. Não é tempo de estudo que se está a tirar, é sim tempo investido na saúde e desenvolvimento de outras aptidões igualmente importantes.




2 comentários:

  1. O grande problema é a qualidade das aulas de Educação Fisíca. Dever-se-ia apostar em "x" turmas diferentes de Educação Física, isto é, uma turma praticava um determinado grupo de desportos.

    ResponderEliminar
  2. Gosto muito do seu blogue e desde já gostaria de lhe dar os parabéns. É uma excelente ferramenta para ficarmos informados, em português!

    Sou nutricionista e gostaria de comentar este tema, que me suscita sempre muitas questões, por considerar muito controverso.
    Não concordo, em parte, quando diz que não se dá a devida importância a estas aulas. Não sei se o problema foi das escolas por onde passei, mas estas aulas sempre tiveram uma enorme importância, principalmente quando começaram a contar para a média.
    Acho fundamental a prática de exercício físico, mas considero que as aulas de Educação Física têm um lado penoso - quando não se tem aptidão suficiente para realizar a maioria dos exercícios pedidos e praticar desportos coletivos, somos postos de lado. A auto-estima é algo muito importante para enfrentar qualquer adversidade da vida e a verdade é que, principalmente no ensino básico, os colegas gostam muito de ser mauzinhos uns para os outros. Não me refiro apenas aos comentários que são direcionados àqueles que têm excesso de peso. Na verdade, até uma pessoa saudável pode ter dificuldade em fazer o que os outros fazem nas aulas e isso não significa que não goste de praticar desporto e/ou que não tenha capacidade para isso. Simplesmente não gosta de praticar aqueles desportos, podendo até ser muito bom noutros. Neste momento estou-me a lembrar da natação, por exemplo.
    Depois há também a questão da exposição. Em todas as outras aulas, quando algum aluno está a ser avaliado (num teste), está a fazer o seu próprio teste, sozinho, sem ninguém o ver. Nas aulas de Educação Física todos os outros estão a ver.
    Compreendo que seja difícil a logística de todos os gostos dos alunos, mas este outro lado da moeda não pode ser esquecido. Para uns a Educação Física tem de facto um peso enorme, tanto que as aulas ao invés de serem produtivas, acabam por ser um motivo de ansiedade. E isso não é saudável. Os professores devem estar cientes disto.

    Continuação de bons artigos!

    Ana Melo

    ResponderEliminar