27 de maio de 2013

Ómega-3, stress, e função cardiovascular


Os efeitos cardio-protectores dos ómega-3 são reconhecidos, embora talvez não tão bem caracterizados como gostaríamos. O EPA e DHA têm uma potente acção anti-inflamatória, anti-agregante, anti-hipertensora, estimulam a adiponectina e actuam reduzindo os níveis de triglicéridos. Todos estes efeitos serão benéficos para a saúde cardiovascular.

Sabe-se que o stress mental provoca alterações fisiológicas com implicações na função cardiovascular potencialmente deletérias, como aumento da pressão arterial e ritmo cardiaco, em grande parte devido a um disparo da actividade simpatética controlada a nível neuronal. Uma equipa Norte-Americana mostrou que os ómega-3 podem desempenhar um papel importante na regulação da actividade neuronal que controla a função cardiovascular em resposta ao stress. A toma de 9g/d de óleo de peixe durante 8 semanas, comparado ao azeite, atenuou o aumento do ritmo cardíaco e actividade simpatética face a uma situação de stress mental - um teste aritmético... o que poderá ser mais stressante que isso? :P


Os ómega-3 são essenciais para a o funcionamento do sistema nervoso central. Resultados como este não serão portante de estranhar. Trata-se apenas de mais um mecanismo pelo qual os ómega-3 parecem exercer um efeito protector a nível cardiovascular.

2 comentários: