25 de junho de 2013

Alternativa à proteína de soro de leite - proteína de arroz


A proteína de soro de leite (whey), seja ela concentrada, isolada, ou hidrolisada, é reconhecida como a ideal no pós-treino, uma altura crítica para potenciar os processos anabólicos adaptativos ao exercício. Trata-se de uma proteína solúvel, de rápida absorção, com um valor biológico muito elevado, e rica em leucina, características que fazem da whey o suplemento alimentar mais procurado. Existem vários estudos que atestam o seu efeito positivo em indicadores de síntese proteica e catabolismo muscular, superior a outras proteínas como a soja e caseína, funcionalmente bem distintas. Embora estes indicadores agudos, avaliados após a sessão de exercício, sejam obviamente importantes, tratam-se apenas de minor endpoints que usamos para inferir aquilo que realmente interessa: as adaptações ao treino no final de um programa serão assim tão diferentes se ingerirmos whey ou outra fonte? Talvez não...

-->

A importância da refeição pós-treino é já assumida como um facto, embora na verdade seja muitas vezes sobrevalorizada relativamente ao aporte diário fraccionado de nutrientes, em particular proteína, que considero sim fundamental. Se me perguntassem uma e só uma dica para construir músculo, eu diria comer cerca de 30 g de proteína de alto valor biológico a cada 3h. Isto sim vai permitir criar um ambiente anabólico propício ao desenvolvimento muscular, desde que, como é óbvio, seja acompanhado de um aporte ajustado de nutrientes energéticos. Podem tomar a whey que quiserem no pós-treino que, se a dieta no resto do dia não for a adequada, pouco ou nada irá ajudar no processo. 

A janela pós-treino é uma altura importante para iniciar os processos regenerativos que permitem o crescimento do músculo. A síntese proteica é crucial aqui, e para tal são necessários aminoácidos livres disponíveis. Um em particular, a leucina, actua como estímulo à formação de novas proteínas via activação do mTOR. Na verdade, sabe-se que existe um limiar para o estímulo à síntese proteica após a ingestão de proteína, e que esse limar é dado pelo teor em leucina. A quantidade que maximiza os processos biossintéticos ronda os 0,05 g/Kg por dose (1,5-2,0 g). 

A whey é particularmente rica em leucina (cerca de 12%), e esta é uma das razões pelas quais se considera a proteína número 1 em potencial anabólico. Outras poderiam ser apontadas como a velocidade de absorção e efeito insulinotrópico. A whey é também a proteína com maior valor biológico que se conhece, característica que deriva da sua quase total digestibilidade e perfil completo de aminoácidos. No entanto, a whey pode ser alergénica para alguns indivíduos e intolerada por outros. Os hidrolisados que vão aparecendo no mercado já minimizam estes problemas, mas algumas pessoas simplesmente optam por não a consumir por ser um derivado do leite ou inadequada para vegetarianos. 

Assim sendo, são necessárias alternativas e as plantas são uma fonte disponível e barata para tal. A soja foi durante muitos anos a eleita, mas, sendo bastante alergénica e com um potencial de retenção limitado no organismo, nos últimos tempos tem sido substituída por alternativas mais viáveis. E uma delas é o arroz, mais propriamente a proteína de farelo de arroz. O arroz é um cereal pobre em proteína (5-10%), mas industrialmente é possível concentrar até aos 90%. O produto é uma proteína hipoalergénica, facilmente digerida (~90%), valor biológico alto (70-80), e com uma velocidade de absorção considerável. 

Um dos factores que mais limita o valor biológico da proteína de arroz é o perfil de aminoácidos. Embora muito rica em aminoácidos como a fenilalanina, tirosina, metionina e cisteína, é muito pobre em lisina. Comparativamente às proteínas de origem animal, em particular à whey, contém menos leucina (8% vs 12%). Assim sendo, é teoricamente inferior para potenciar a síntese proteica e, consequentemente, o aumento de massa muscular. Mas será mesmo? 

Já vimos que existe um limiar de leucina a partir do qual não há benefício acrescido na síntese proteica – cerca de 2g (0,05 g/Kg de peso). Se a proteína de arroz tem menos leucina que a whey, será preciso mais para atingir esse valor. Mas isto significa também que para uma dose suficientemente alta de ambas não haverá diferença no estímulo à síntese proteica, uma vez que o limiar de leucina foi ultrapassado. Um estudo publicado há poucos dias aborda precisamente está questão. Desde que a dose fornecida no pós-treino seja suficientemente alta, não parece haver diferença nas adaptações a longo prazo quer se opte por whey ou proteína de arroz. 

Cerca de 20 jovens com experiência prévia em treino foi submetido a um protocolo de exercícios de força, 3 vezes por semana, durante 8 semanas. Um grupo ingeriu proteína de arroz após o treino, o outro proteína de soro de leite. A dose de ambas foi de 48 g, correspondendo a 3,8 g de leucina no caso da proteína de arroz e 5,5 g na whey. Tendo em conta que o peso médio da amostra era de 76 Kg, vemos que o limiar de leucina foi excedido nas duas condições experimentais. As outras variáveis nutricionais foram mantidas constantes entre os grupos. 

Como seria expectável, o protocolo de treino com proteína pós favoreceu adaptações positivas, independentemente da condição experimental. Após as 8 semanas não foram verificadas diferenças significativas em indicadores de força, potência, ou composição corporal (figura 1) entre a proteína de arroz e a proteína de soro de leite.



Como referi acima, se o teor em leucina é condicionante do efeito da proteína no pós-treino, a partir de uma certa dose as diferenças entre fontes proteicas à diluída. Podemos então estabelecer o modelo que se segue:


A vantagem da whey relativamente à proteína de arroz é que a dose total necessária é menor para atingir o limiar de leucina. Se consumirmos proteína de arroz suficiente, a diferença torna-se insignificante. Lembre-mo-nos no entanto que ambas as proteínas são de rápida absorção, fácil digestão, e muito biodisponíveis, embora a whey leve uma vantagem em relação a todos estes parâmetros. Outras fontes proteicas funcionalmente distintas, como a caseína ou soja por exemplo, poderão não apresentar os mesmos resultados.

A conclusão principal deste estudo é que, a longo prazo, não existem diferenças entre a proteína de arroz e whey em major endpoints, os que realmente interessam, desde que seja ingerida uma quantidade que exceda ou igual o limiar de leucina. A proteína de arroz é uma alternativa viável para quem quer fugir da whey, seja qual for o motivo, com a vantagem de ser hipoalergénica e, provavelmente, menos insulinotrópica quando ingerida noutras alturas do dia.

Mas como é regra para todos os suplementos alimentares, a escolha da fonte de proteína de arroz é crítica. Neste estudo foi utilizada OryzateinTM, um produto altamente solúvel e derivado de processos exclusivamente enzimáticos. Algumas marcas usam extração alcalina, um método que pode alterar as propriedades físico-químicas da proteína e gerar substâncias tóxicas como a lisinoalanina e glicação. Tratam-se portanto de produtos a evitar.

Embora possamos reconhecer à whey funcionalidades que a tornam a escolha primária para o pós-treino comparativamente a outras fontes, a verdade é que os estudos focam essencialmente minor endpoints como a síntese proteica aguda ou marcadores de catabolismo. Quando falamos em ganhos a longo prazo e progresso no treino, isso não parece fazer assim tanta diferença desde que algumas características da proteína se assemelhem - teor em leucina, digestibilidade e velocidade de absorção. Há alternativas à whey.

Joy JM, et al. The effects of 8 weeks of whey or rice protein supplementation on body composition and exercise performance. Nutr J. 2013 Jun 20;12(1):86.


7 comentários:

  1. Já há no mercado suplementos de proteína de arroz? Quais recomenda?
    Esta é uma questão que me interessa bastante pelo facto de ser alérgico, entre outras coisas, à proteína do soro de leite. No meu caso a constituição da maioria dos suplementos é um grande obstáculo!

    Cumprimentos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá José,

      Existem proteínas de arroz no mercado, nomeadamente a que mencionei. Não é fácil encontrar em Portugal. Eu pelo menos desconheço. Mas existe proteína de arroz na myprotein.co.uk. Os preços é que ainda são um pouco elevados.

      Cumprimentos

      Eliminar
  2. Você conhece a proteína de arroz SUNWARRIOR? Sabe se seu processamento é enzymático? Fiquei curiosa quando li sua excelente postagem, porem não obtive ainda iformações do fabricante. Obrigada

    http://www.sunwarrior.com.br/proteina.html

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Segundo a marca: "Utilizamos apenas enzimas orgânicas, sendo o processo 100% orgânico". :)

      Cumprimentos

      Eliminar
  3. Muito interessante, ótimo texto.

    achei essa marca aqui: http://www.naturalquality.com.br/products/rice-protein-nutribiotic
    e essa: http://myvega.com/product/vega-one-nutritional-shake/

    conhece? indica como rápida absorção pós treino?

    obrigado e parabéns!

    ResponderEliminar
  4. Sou adepto das proteínas vegetais à já a alguns anos devido a alguns problemas intestinais que tive durante algum tempo quando consumia produtos lácteos: leite, whey e derivados, o que me levou assim a optar por este tipo de proteínas devido à ausência de lactose e à sua origem(não animal).

    Gostava aqui referir que já testei fisicamente praticamente todo tipo de proteínas vegetais(cânhamo, arroz, soja, etc... e queria deixar aqui uma sugestão a quem procura uma proteína de alto rendimento e que para mim tem sido bem melhor a nível de resultados do que as proteínas de arroz e de soja. Falo da PROTEÍNA DE ERVILHA DA REFLEX NUTRITION (Vegan Protein)! (Free from soy, gluten, GMO)
    Posso-vos dizer que já tinha experimentado antes uma proteína idêntica bulk da Myprotein e era muito má, não se dissolvia bem e o sabor neutro era péssimo! Esta proteina da Reflex pelo contrário é muito muito muito saborosa (sabor smooth fruit) e não causa indigestão diária ao sabor, como a maior parte da proteínas em que passados alguns dias já temos que juntar outros elementos(frutas, etc...) para desenjoar! (é optíma também fazer fazer iogurtes ;) (mais tarde posso colocar a receita :)

    A nível de resultados e no meu caso em que o objectivo era o ganho de peso através de massa magra, por incrível que pareça consegui bastante mais rápido e melhores resultados do que quando consumia Whey Protein ou proteína de soja ou arroz, porquê? não sei...talvez por conseguir consumir uma maior quantidade nos batidos entre refeições e pós treinos devido ao facto de estar a ingerir um produto saboroso(...)

    Já agora podem mandar vir pela net esta proteína de Espanha ou Portugal a um preço bastante baixo comparado com as proteínas que já referiram nos comentários anteriores (não sei se posso colocar o link para a loja onde costumo comprar), mas vou deixar-vos com o link para a foto do produto.

    http://www.realfoods.co.uk/ProductImagesID/25125_1.jpg

    Experimentem e digam da vossa justiça ;)

    ResponderEliminar
  5. Comecei à dois dias a tomar proteína de arroz e de soja, tomo a de arroz no pós-treino e a de soja antes de ir para a cama.
    De facto a proteína de arroz (sunwarrior) deixa um sabor na boca verdadeiramente desagradável ao contrário da proteína de soja (soypro) que tem um sabor muito agradável a morango. Em termos de ganhos, daqui a uns meses falamos...

    ResponderEliminar