31 de julho de 2013

O exercício é o melhor medicamento para a Alzheimer?


Um estudo da Universidade de Maryland mostra que o exercício pode ser "o melhor medicamento" para a Alzheimer, melhorando a actividade cerebral associada à memória. Citando um dos investigadores, "descobrimos que após 12 semanas de um programa moderado de exercício, os participantes melhoraram a sua eficiência neuronal - usavam menos recursos para realizar a mesma tarefa: memória. Nenhum estudo até agora mostrou que uma droga seja capaz de fazer o que nós demonstrámos com o exercício".

O sintoma que melhor caracteriza a Alzheimer é a perda de memória e incapacidade de lembrar nomes. Testes de memória com celebridades famosas e palavras, e técnicas de imagiologia (fMRI) foram efectuados antes e após as 12 semanas de intervenção (treino cardiorespiratório de baixa intensidade). Verificou-se uma alteração no padrão de actividade cerebral, com um aumento da eficiência de zonas associadas à patologia da Alzheimer. Os testes de memória também melhoraram significativamente.

Ainda é cedo para se dizer que o exercício é o melhor método terapêutico para a Alzheimer. Estudos de maior dimensão e com amostras mais representativas serão necessários. No entanto, e tendo em conta os benefícios extra que podem ser obtidos, não me parece desvantajoso recomendar activamente a prática de actividade física em pessoas que sofrem desta doença tão debilitante.

J. Carson Smith, et al. (2013). Semantic Memory Functional MRI and Cognitive Function After Exercise Intervention in Mild Cognitive ImpairmentJournal of Alzheimer’s Disease. (in press)


2 comentários:

  1. Artigo interessante. O primeiro parágrafo tem alguns pontos de PT a limar para que fique ao nível dos restantes artigos ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tem de compreender... foi a primeira coisa que fiz depois de acordar :P

      Eliminar