13 de novembro de 2013

Mais benefícios dos mirtilos...


Os frutos silvestres são reconhecidos pelo seu elevado teor de antioxidantes, nomeadamente polifenóis, com um efeito bioactivo e protector a vários níveis. Mais ainda os selvagens sujeitos a agressões constantes do meio e que dependem desses fitoquímicos como mecanismo de defesa. Entre os frutos silvestres, os mirtilos estão entre os mais ricos nestes compostos com acção potencialmente benéfica a nível cardiometabólico.

Um estudo publicado recentemente mostra que a ingestão de mirtilos aparenta um efeito protector a nível da função endotelial em animais obesos, propensos a inflamação e hipertensão [link]. Relembro que a disfunção endotelial é considerada "o factor de risco dos factores de risco", ou seja, o ponto para onde todos os factores de risco clássicos convergem. O endotélio é a barreira que separa o fluído (sangue) da face interna dos vasos (íntima e túnica média). É também responsável pela produção de substâncias vasodilatadoras (óxido nítrico e prostaciclinas) e vasoconstritoras (tromboxanos). Quando se verifica um desequilíbrio pendente para a vasoconstrição temos aquilo a que chamamos "disfunção endotelial", um estado também marcado por inflamação, hipercoagulação, e permeabilidade vascular. No fundo, um aumento considerável do risco cardiovascular e arterosclerose. 


De acordo com o estudo mencionado, o consumo de mirtilos selvagem parece restaurar a função hemodinâmica dos vasos em animais obesos. Se convertermos a dose utilizada num equivalente humano, estamos a falar de 300 g por dia o que corresponderia a praticamente todo o consumo recomendado de fruta (continua a ser açúcar...). Nada de impossível, embora o preço dos mirtilos seja proibitivo para muita gente, e os selvagens até inacessíveis. 


1 comentário:

  1. Mas o consumo de antioxidantes tem o problema de prejudicar o sistema imunológico.

    ResponderEliminar