14 de julho de 2014

Os hidratos de carbono podem reverter a amnorreia induzida pelo exercício intenso?


Há algum tempo que vos escrevo sobre o efeito da privação energética crónica em atletas e praticantes recreativos cuja dieta é totalmente desajustada para a carga de treinos. E normalmente o desequilíbrio acentua-se na ingestão insuficiente de hidratos de carbono. Nas mulheres a privação crónica manifesta-se de várias formas, entre elas a amnorreia (perda de menstruação) devido à carência energética no sistema reprodutivo, redução da leptina, e depressão das gonadotropinas (LH e FSH) e estrogénios.

Um estudo publicado recentemente, em modelo animal, mostra que a suplementação com hidratos de carbono pode reverter a amnorreia induzida pelo exercício, restaurando também os níveis hormonais e a fisiologia normal dos ovários. Bem sei que se trata de um estudo com ratos, logo não devemos extrapolar directamente para humanos. Mas às vezes temos de começar por algum lado e "sacrificar" mulheres para uma análise exaustiva é, digamos, pouco ético.

Não é por acaso que vos tenho alertado para o perigo da restrição severa em hidratos de carbono aliada ao exercício físico. Cada vez mais me deparo com casos assim, com disfunções metabólicas muito características e diagnosticantes. Os hidratos de carbono não são o inimigo do six pack. Pelo contrário, podem ser os nossos melhores amigos se usados a nosso favor, com as fontes certas e nos timings certos.


Zhao, Can, et al. "Effects of carbohydrate supplements on exercise-induced menstrual dysfunction and ovarian subcellular structural changes in rats." Journal of Sport and Health Science (2014).

3 comentários:

  1. Sérgio,
    ao invés da suplementação com HC não seria benéfico um repouso ou abrandamento da actividade e aumento sim dos HC mas sem suplementos para reverter a amnorreia? Outra questão, a quantidade de gordura na dieta também nestes casos particulares não deve ser aumentada?
    Obrigada
    Rita Silva

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo... A gordura sim, caso o consumo seja baixo. A cerca de 20-30% da energia total.

      Eliminar
  2. Aconteceu comigo! Não que o exercício fosse muito intenso, mas estava em dieta cetogênica. Bastou aumentar a ingestão de carbos (batata-doce, batata inglesa e mandioca), que em poucas semanas, 3 ou 4, sai do estado de amenorreia.

    ResponderEliminar