4 de dezembro de 2014

Consequências da resistência à insulina durante a gravidez


Já falámos muitas vezes das consequências metabólicas da resistência à insulina, uma hormona essencial para a gestão dos níveis de açúcar, regulação do apetite, e manutenção da massa magra e massa gorda. Em estados de resistência à insulina, a hormona apresenta uma acção anormal e é ineficiente na promoção da entrada de glicose para os tecidos. Os níveis elevados de glicose que se geram estimulam adicionalmente a secreção de insulina pelo pâncreas, levando a hiperinsulinemia. Uma fase crítica da disfunção é durante o desenvolvimento do feto. Sabe-se que a resistência à insulina está associada à carência energética no feto, levando a alterações epigenéticas e metabólicas que adaptam a criança a um ambiente de carência. Ou seja, tornam-na eficaz na reserva de energia. 

Um estudo recente mostra que a resistência à insulina nas mães (ratinhos) está associada a uma carência de células produtoras de insulina na descendência, bem como a um peso baixo à nascença. No entanto, durante os primeiros momentos de vida o peso é rapidamente ganho, e até acima do que seria normal. Este ganho de peso poderá ter a ver com dificuldade em lidar com os hidratos de carbono ingeridos, gerando-se um ambiente de hiperglicemia propenso à obesidade.

Obviamente que tudo isto tem implicações reais no risco de obesidade. A resistência à insulina é muito comum hoje em dia, com base nos maus hábitos de sedentarismo, privação de sono, obesidade, e má alimentação. A inflamação subclínica é um flagelo que está na base, ou como consequência, de muitas disfunções metabólicas comuns hoje em dia, como é exemplo a resistência à insulina. Portanto, garantir um funcionamento hormonal óptimo durante a gravidez é essencial para atenuar o risco de obesidade e doenças metabólicas como a diabetes. É na barriga que ainda tudo começa, e a mãe tem responsabilidades neste período.

S. Kahraman, E. Dirice, D. F. De Jesus, J. Hu, R. N. Kulkarni. Maternal insulin resistance and transient hyperglycemia impact the metabolic and endocrine phenotypes of offspringAJP: Endocrinology and Metabolism, 2014; 307 (10): E906

Sem comentários:

Enviar um comentário