27 de outubro de 2015

O potencial acidificante da dieta e o cortisol


Tenho-vos falado como o stress, e o cortisol como mediador fisiológico desse stress, podem deteriorar a composição corporal e a qualidade de vida, e também sobre alguns factores que podem levar ao aumento desse cortisol [LINK]. Aqui vai mais um: 


O potencial acidificante da dieta

Um estudo bem recente mostra-nos que uma dieta de caracter mais ácido, neste caso induzida pela ingestão de sal (cloreto de sódio), aumenta a produção e excreção de glucocorticoides bioactivos. E mais do que isso, a suplementação com bicarbonato de potássio, um agente tampão alcalinizante, reduz a produção desses mesmos glucocorticóides [LINK].




Quando falamos em alimentos acidificantes, falamos naqueles cujo metabolismo gera compostos ácidos, e não que vão alterar o pH do sangue de forma quantificável. Não vão porque o nosso organismo tem um sistema de tampão extremamente eficaz, mas que infelizmente "canibaliza" osso (minerais) através deste aumento de corticóides para manter o pH estável nos 7,4, e também músculo para libertar glutamina, importante na excreção de H+ na urina via amónia (NH4+). Resumindo, esta acidose metabólica de baixo grau ou sub-clínica é uma força motriz para o catabolismo ósseo e muscular. Além disso, trata-se de um contributo adicional para a disfunção adrenal, considerando a elevada carga ácida de uma dieta Ocidental moderna (70 mEq/d em média). Segundo o estudo em análise, metade disso seria suficiente para induzir este aumento da produção de corticóides.

Quando falamos em "alimentos acidificantes", englobamos as proteínas os cereais, açúcares simples, e o café. Apesar dos benefícios que possamos reconhecer a uma dieta hiperproteica, ela deve ser equilibrada com alimentos de potencial alcalino, ricos em bicarbonato, potássio, magnésio, cálcio, sódio (não o sal que é rico em cloro, acidificante) - hortícolas e frutas essencialmente, sendo o limão o mais alcalino do seu género. No entanto, na dieta Ocidental moderna os cereais são os que mais contribuem para esta acidose sub-clínica de baixo grau [LINK], e dificilmente lhes arranjamos um benefício para além da energia que contêm, o que nem sempre é o que procuramos no contexto actual.

Já é altura de começarmos a prestar atenção a este aspecto tão menosprezado - a carga ácida excessiva da dieta Ocidental. A importância dos hortícolas e frutos no restauro deste equilíbrio e potenciação dos nossos mecanismos de tampão endógenos não deve ser descurada. Não há forma de uma dieta em que eles não estão presentes ser saudável.

2 comentários:

  1. Sérgio, pode explicar como o sal é acidificante ?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/17522265

      O cloro do sal

      Eliminar