19 de outubro de 2015

Stress crónico: o que é?


Quanto pesa este haltere? 1 kg? 2 kg? Qualquer um de nós o conseguirá levantar sem grande dificuldade. Mas segurem-no durante 1 hora, 1 dia, 1 semana, e vai parecer uma tonelada. O peso aqui torna-se relativo. O que parecia fácil e simples de lidar, é agora um problema.

Esta é uma boa analogia que podemos fazer com o stress. Todos nós estamos preparados para lidar com eventos stressantes e "agressores" pontuais - a resposta fight-or-flight ou a mediada pelo sistema imunitário. A nossa fisiologia consegue responder de uma forma adaptativa e protectora quando exposta momentaneamente a um agente de stress. Mas e quando este stress é constante? Quanto a exposição a estes agressores se transforma em crónica? Mais tarde ou mais cedo tens de largar o peso. O teu corpo está exausto. 

Se este haltere representar a carga alostática (conjunto de todos os agressores e "stressors"), quanto mais peso colocarmos menos tempo conseguimos segurar. Falei-vos nisto recentemente a propósito do exercício, um agente de stress positivo ou negativo mediante a nossa resiliência [LINK]. Da mesma forma, se o levantarmos repetidamente sem descanso acabamos também por entrar em fadiga.

Um aspecto muito interessante nesta "coisa do stress" é que a resposta do nosso organismo é muito semelhante independentemente do estímulo imposto. Por outras palavras, fisiologicamente damos respostas iguais quando "agredidos", a que Hans Selye chamou de "Síndrome de Adaptação Geral". Resultado do conjunto de factores externos que afectam um indivíduo, e que culmina num denominador comum - cortisol.

A composição corporal também é em muito afectada por este stress crónico. A resposta neuro-endócrina outrora adaptativa, torna-se aqui lesiva. Um estado de inflamação contínuo e sub-clínico programa o nosso metabolismo para um ambiente hostil onde só a sobrevivência é relevante. E aqui acumular gordura é uma vantagem. É a melhor resposta do nosso sistema para aquele contexto. Ele não está errado, nós sim pelo estilo de vida que levamos.

Sem comentários:

Enviar um comentário