5 de novembro de 2015

Abrindo a minha despensa e frigorífico...


Na sequência do meu artigo sobre o problema de "uma dieta diversificada" [LINK], onde afirmei que era possível ter uma alimentação saudável baseada numa gama reduzida de alimentos se fizéssemos as escolhas mais "inteligentes", foi-me sugerido explorar o que é isto das melhores escolhas. O problema começa logo num princípio básico da nutrição funcional - personalização. O que é melhor para ti, pode não ser o melhor para mim. O mais próximo que posso fazer, e inédito aqui no blogue, e contar-vos tudo o que tenho aqui em casa! Isso mesmo... o conteúdo do meu frigorífico e despensa. Aviso já que vão ficar desiludidos...

A olhar aqui para o meu frigorífico, vejo uns 8 pacotes de claras de ovo pasteurizadas, 2 sacos de brócolos. Também como outros vegetais claro - couves (todo o tipo), espinafres, grelos, etc. Uns peitos de frango já grelhados, batata-doce, e água. Podem estar 2 graus lá fora que eu vou sempre preferir água fresca. Não porque a água fria emagrece, mas porque gosto mais. Não a bebo às refeições de qualquer forma. Também tenho por lá umas maçãs Granny Smith, e cá fora bananas e abacates. Não que só coma estas frutas, mas é o que há por aqui.

No congelador vejamos... Mais peitos de frango do campo, carne de novilho picada para fazer os meus hamburgers, uns bifes de alcatra (cancro vermelho dos Açores), lombos de pescada, feijão-verde, frutos silvestres, e uns sacos de brócolos para SOS quando não consigo ter frescos. São incomparavelmente melhores.

A despensa é muito mais interessante. Umas latas de atum Santa Catarina em azeite Biológico e tomilho (muito Gourmet), cacau cru em pó, um pacote de galetes de arroz que já ali está há algum tempo fechado, uma embalagem de pasta de amêndoa, alfarroba, arroz basmati, e aveia que também já ali está há algum tempo na verdade. Ovos matinados, ou das galinhas dos meus pais quando são generosas, alimentadas a vegetais e frutas. Se calhar é por isso que não dão muitos. Muita batata-doce, uns 15 kg mesmo, alho, cebolas vermelhas, oregãos, tomilho, louro, e canela, açafrão e gengibre biológicos, e sal marinho. Azeite virgem extra e vinagre balsâmico biológico. 

E é com isto, apenas com isto, que me alimento. Levo todas as refeições comigo, portanto nem fora de casa escapa excepto num convívio pontual. Nada mais para além disto existe na minha toca. E sinceramente, vivo muito bem assim. Ah e onde está o teu cálcio sem lacticínios na dieta? Aqui:


Pronto... É isto. E há uns 10 anos que é isto. Monótono? Não acho... Só precisamos de imaginação. Mas vivo bem e saudável com carne/peixe/ovos, brócolos (ou outra verdura), batata-doce, arroz ou um pouco de aveia (raro na verdade), alguma fruta variada, oleaginosas e pouco mais. Eu avisei-vos que era uma desilusão e tristeza. Nada de alimentos esotéricos difíceis de pronunciar o nome, e poucas coisas não se encontram ali no supermercado ou na loja de produtos dietéticos mais próxima.

14 comentários:

  1. E não é que a minha é bastante parecida ;)

    Obrigado pela partilha e até Janeiro, mal posso esperar pela Certificação em Nutrição Desportiva.

    Abraço!

    ResponderEliminar
  2. Muito obrigado pela atenção ao meu comentário no post anterior.

    Surpreendeu-me pela positiva.

    Continue o seu excelente trabalho pois de facto é ÚNICO e EXCECIONAL! Os meus parabéns!

    ResponderEliminar
  3. Muito interessante, obrigada :). para alem disso ainda tenho o feijão preto e grão em lata e os cereias/sementes (millet, arroz integral, quinoa) para as refeições que faço sem carne. Há quem diga que se devem evitar, há quem diga maravilhas...o que acha?

    ResponderEliminar
  4. Não costumas comer salmão, sardinha, cavala, etc, ou foi questão de circunstância? Ou será que cobres a parte do Omega 3 com fish oils, por exemplo?
    Nice. Simples... eu também sou assim, se bem que compro mais uma coisas e ingiro laticinios/leguminosas!
    À tua lista acrescento iogurte grego/quark (+ leite de vez em quando, especialmente na aveia), côco ralado, chocolate preto (75%-85%... não abdico, como 20/25gr por dia ou de dois em dois dias, no iogurte/quark), grão de bico e feijão (normalmente preto, às vezes branco, raramente outros), sardinha/cavala em tomate. De vez em quando Salmão fresco ou congelado.
    Depois o costume, uns quantos vegetais diferentes, frescos e congelados.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu como peixe, mas o salmão evito. Não é fácil identificar a proveniência do salmão de aquacultura. Do Alaska não é de certeza. Mas como todo o tipo de peixes, embora cavala não seja comum, e sardinha só na época.

      Eliminar
    2. Na Suíça, sabemos sempre qual a origem (excepto marca branca) do peixe e mariscos.
      Mas infelizmente o preço de 500 g de salmão do Alaska não é muito apelativo.

      Eliminar
    3. Eu só conheço um salmão à venda em supermercados que é selvagem. O da iglo selvagem. É super caro, mas compro esporadicamente quando está em promoção.

      Eliminar
  5. O mais simples é quase sempre o mais eficaz.
    Obrigado pela partilha.

    ResponderEliminar
  6. Eu só adicionaria uns queijos, frutos secos, côco ralado e óleo de côco. Ficava perfeito :)

    ResponderEliminar
  7. https://www.facebook.com/keepitsimplekeepitpaleo/posts/827969780644901:0

    ResponderEliminar
  8. A junção de alguns hidratos de carbono (arroz, batata normal e doce, raízes e frutas) com quantidades consideráveis de gordura (óleo de coco, azeite, manteiga, queijo, oleaginosas, peixes gordos, cacau, coco ralado, ovos...) poderá ser prejudicial? Ou será mesmo o ideal?

    ResponderEliminar
  9. Conta calorias/macros diariamente? Ou nem por isso?

    ResponderEliminar
  10. E suplementação, o que e quanto toma diariamente?

    ResponderEliminar
  11. Onde compras o acafrão? Só encontro em pó!!

    ResponderEliminar