23 de dezembro de 2015

Bom Natal a todos :)


Fat but fit?


Na última década foi sido desenvolvido o conceito de obesidade saudável. Este peso excessivo sem alterações metabólicas e bioquímicas diagnosticáveis era entendido como inócuo e sem risco para a saúde, embora a OMS tenha já classificado a obesidade como doença. Por outras palavras, era possível ser gordo e saudável ao mesmo tempo. Ora, eu tenho certas dúvidas em relação a isso e, embora em momentos discretos a saúde possa ser uma realidade, a médio-longo prazo o risco de desenvolver doença cardiometabólica ou cancro é bem superior, mesmo quando tudo parece bem à partida. Isto foi já demonstrado numa coorte Espanhola, com aumentos de risco na ordem dos 700% a 11 anos, contra 1100% para indivíduos "metabolicamente doentes". 700% é melhor do que 1100% é certo, mas não significa que seja bom na mesma.

Um estudo prospectivo recente na Suécia vai ao encontro destes resultados [LINK]. O estudo avaliou a capacidade aeróbia em homens e encontrou uma associação negativa com o risco de morte por várias causas. Além disso, homens com peso normal, independentemente da fitness aeróbia, apresentaram menor risco do que obesos com elevada capacidade aeróbia. Em indivíduos com obesidade extrema a fitness aeróbia não se mostrou associada a qualquer redução de risco.

Uma limitação deste estudo é o facto de apenas ter estudado homens. Não é certo que nas mulheres exista a mesma relação, embora alguma probabilidade de tal. No entanto os estrogénios podem desempenhar aqui um papel protector que atenua esta relação entre a obesidade e o risco de doença e morte.

Por outras palavras, não há tal coisa como fat but fit. Não há saúde na obesidade, e os obesos dividem-se em 2 grupos. Os que têm problemas de saúde, e os que vão ter se não fizeram nada contra isso (ou pelo menos existe grande probabilidade para tal). Fazer exercício não chega, é preciso que esse exercício se reflita em resultados reais na composição corporal.

17 de dezembro de 2015

Estrogénios e memória


Os estrogénios têm sido erradamente conotados com o papel de vilão no que diz respeito à composição corporal. Um pouco à semelhança da insulina. Mas na verdade, não existem hormonas boas nem más, apenas desequilíbrios que podem resultar num perfil mais ou menos favorável. Os estrogénios são um muito responsáveis pelo dismorfismo sexual entre homens e mulheres, proporcionando uma maior acumulação de gordura na zona gluteo-femoral e trícepe. Mas o seu papel está longe de se reservar à composição corporal ou sexualidade, tendo, entre muitos outros, uma palavra a dizer na memória e cognição em geral.

Sabe-se que as células do hipocampo apresentam receptores estrogénicos, uma região responsável pela memória e génese de novos neurónios. A administração sistémica de estrogénios em animais parece melhorar a aprendizagem, embora o processo não esteja ainda totalmente claro. Um estudo recente mostra que os estrogénios parecem aumentar o número de sinápses neuronais, mas sem actividade eléctrica aparente [LINK]. Acredita-se que estes neurónios sejam como que uma folha em branco que se mantém silenciosa até ser usada para aprendizagem e formação de novas memórias.

Problemas relatados a nível da cognição e memória são comuns em mulheres pós-menopausa ou sujeitas a ablação dos ovários. Talvez seja esta a explicação para esse fenómeno, sublinhando também a importância que esta hormona tão incompreendida tem na fisiologia do ser humano. Mais uma vez, a chave está no equilíbrio.

10 de dezembro de 2015

Os suplementos alimentares são eficazes ou não?


Os suplementos alimentares são eficazes ou são apenas sorvedouros de dinheiro? Esta pergunta daria lugar a uma discussão apaixonada entre uma sociedade dividida em dois extremos: os que os consideram completamente inúteis e os que os acham a água benta do desporto. A verdade é que se nos basearmos apenas nos estudos científicos publicados à luz da evidência chegamos à frustrante conclusão de que a grande maioria é de facto ineficaz, senão inútil. Mas eles continuam a ser utilizados, e alguns com grande sucesso apesar da falta de suporte. Eu próprio utilizo e recomendo determinados suplementos em enquadramentos específicos. Sendo um defensor e "pregador" de ciência, não estarei eu próprio corrompido pelo hype, crença, e marketing? Acredito que não.

6 de dezembro de 2015

Aniversário do blogue! E uma oferta para os seus leitores...


Hoje, dia 6 de Dezembro, o blogue faz 5 anos! Como o tempo passa... Ainda me lembro do primeiro artigo [LINK] que marcou o inicio de uma jornada muito enriquecedora a nível pessoal, e também profissional. Em 5 anos o Mundo não parou, e sou hoje uma pessoa diferente do que era. Mas se há algo em que fundamento o sucesso do Fat New World é a coerência que tenho mantido ao longo do tempo e rigor no que escrevo, que não é mais do que o meu trabalho e paixão em simultâneo. Não sou detentor da verdade absoluta, nem tão pouco desejo ser um guru. Não quero que acreditem em mim cegamente. Tenho pavor disso. Mas não deixa de ser gratificante o reconhecimento pelo meu trabalho, e conhecer pessoas que me seguem há muito tempo, bem antes de me cruzar com elas pela primeira vez. Como professor, o blogue tornou-se também uma ferramenta de apoio aos meus alunos disponível a todos. Muito obrigado a todos os leitores do Fat New World pela experiência que me proporcionam, e por me fazerem crescer como pessoa e profissional. Cada vez que ensino, aprendo por dois.

Para celebrar a data, vou oferecer os artigos abaixo (que podem ver detalhes ao clicar) a quem partilhar este mesmo artigo no seu mural do facebook e gerar mais likes. Fica aberto até ao final do mês! Dia 31 coloquem no mural da página do Fat New World [LINK] os vossos resultados. Apenas para Portugal infelizmente :(