17 de dezembro de 2015

Estrogénios e memória


Os estrogénios têm sido erradamente conotados com o papel de vilão no que diz respeito à composição corporal. Um pouco à semelhança da insulina. Mas na verdade, não existem hormonas boas nem más, apenas desequilíbrios que podem resultar num perfil mais ou menos favorável. Os estrogénios são um muito responsáveis pelo dismorfismo sexual entre homens e mulheres, proporcionando uma maior acumulação de gordura na zona gluteo-femoral e trícepe. Mas o seu papel está longe de se reservar à composição corporal ou sexualidade, tendo, entre muitos outros, uma palavra a dizer na memória e cognição em geral.

Sabe-se que as células do hipocampo apresentam receptores estrogénicos, uma região responsável pela memória e génese de novos neurónios. A administração sistémica de estrogénios em animais parece melhorar a aprendizagem, embora o processo não esteja ainda totalmente claro. Um estudo recente mostra que os estrogénios parecem aumentar o número de sinápses neuronais, mas sem actividade eléctrica aparente [LINK]. Acredita-se que estes neurónios sejam como que uma folha em branco que se mantém silenciosa até ser usada para aprendizagem e formação de novas memórias.

Problemas relatados a nível da cognição e memória são comuns em mulheres pós-menopausa ou sujeitas a ablação dos ovários. Talvez seja esta a explicação para esse fenómeno, sublinhando também a importância que esta hormona tão incompreendida tem na fisiologia do ser humano. Mais uma vez, a chave está no equilíbrio.

Sem comentários:

Enviar um comentário